Publicador de Conteúdo

Artigo

Os jovens portugueses e espanhóis utilizam os telemóveis de forma diferente?

Charo Sádaba, Facultad de Comunicación e Instituto Cultura y Sociedad, Universidad de Navarra; Gonzalo Fernández-Duval e Javier García-Manglano, Instituto Cultura y Sociedad, Universidad de Navarra; Tiago Lapa e Gustavo Cardoso, Centro de Investigação e Estudos de Sociologia, Instituto Universitário de Lisboa;
Investigação por encomenda

A denominada geração Z, nascida por volta do ano 2000, cresceu num contexto hipertecnológico, em que a utilização do telemóvel se converteu em algo quotidiano. Embora muitos estudos tenham investigado o impacto dos ecrãs no bem-estar e nas relações dos jovens, ainda são poucos os que exploraram diferenças entre países em relação à utilização do telemóvel. Este estudo explora seis perfis de utilização do telemóvel, e as suas consequências para a satisfação e bem-estar dos utilizadores, em jovens dos 20 aos 24 anos em Espanha e Portugal. Embora se encontrem diferenças entre países – por exemplo, os jovens portugueses estão ligeiramente mais satisfeitos com as suas relações pessoais, e os espanhóis, com o trabalho e o lazer –, os fatores que estão mais fortemente associados ao bem-estar e ao mal-estar dos jovens tem a ver com as suas motivações para utilizarem o telemóvel, mais do que com o país de procedência.
Pontos-chave
  • 1
       Portugal e Espanha têm perfis de utilizador semelhantes: moderados, hiperconectados, organizados, socializadores, impetuosos e escapistas.
  • 2
       O maior grupo é o dos moderados: quase metade dos jovens (43% em Portugal e 42% em Espanha) correspondem a este perfil.
  • 3
       Os escapistas e os hiperconectados são mais propensos a uma utilização problemática do telemóvel, enquanto os organizados e os moderados apresentam um risco menor de utilização problemática.
  • 4
       A satisfação relacional é um pouco maior em Portugal do que em Espanha, independentemente do perfil de utilização do telemóvel. O perfil socializador é, em ambos os países, o que inclui jovens mais satisfeitos com os familiares e os amigos.
  • 5
       Os jovens espanhóis estão ligeiramente mais satisfeitos do que os portugueses com o seu trabalho ou estudo e o seu tempo livre; a satisfação com o lazer é, para todos os perfis e em ambos os países, menor do que a satisfação com o trabalho.

Classificação

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Artigo

Por que não oferecemos a mesma ajuda a todas as vítimas de ‘cyberbullying’?

Este artigo destaca que tanto o bullying tradicional como o cyberbullying têm uma audiência. As pessoas observadoras podem influenciar o comportamento, seja encorajando ou parando a agressão.

Artigo

Digitalização, automatização e o mercado de trabalho em Portugal

Este artigo é realizado com base na pesquisa que procura dar resposta ao impacto da transformação digital nos postos de trabalho e no emprego, a partir de uma análise focada no mercado de trabalho em Portugal. A fim de explorar o impacto da digitalização na força de trabalho portuguesa, os autores analisaram os dados da pesquisa, recolhidos entre abril e julho de 2022, a partir de uma amostra representativa de 2.000 trabalhadores no ativo em Portugal.

Artigo

A solidão e as redes sociais: por que nos sentimos tão sós nos locais do mundo mais apinhados de gente?

A utilização das redes sociais torna-se frequentemente compulsiva. Quanto mais frequente e compulsiva se torna a utilização das mesmas, maior a probabilidade de serem relatados sentimentos de solidão. Porque tal acontece?

Artigo

Olhar para além dos telemóveis para compreender o bem-estar dos jovens adultos portugueses

Os resultados deste estudo mostram que, por um lado, a utilização problemática das tecnologias móveis está associada a níveis mais baixos de bem-estar entre os jovens adultos. Por outro lado, os jovens adultos portugueses acreditam que as tecnologias móveis foram essenciais para o seu bem-estar durante os confinamentos e perante as regras de distanciamento social desencadeadas pela pandemia.

Também pode ser do seu interesse

O abandono académico no ensino superior: Fatores sociodemográficos, económicos e psicossociais na era pós-pandemia

O abandono académico no ensino superior: Fatores sociodemográficos, económicos e psicossociais na era pós-pandemia


Inclusão Social

O estudo revela por que Portugal não atingiu a sua meta de ensino superior e destaca os desafios, económicos e psicossociais, que levam ao abandono académico e oferece insights sobre as dificuldades dos estudantes no contexto pós-pandemia.

«BlindGame»: As atividades de jogo de azar ‘on-line’ dos jovens portugueses

Artigo

«BlindGame»: As atividades de jogo de azar ‘on-line’ dos jovens portugueses


Inclusão Social

Um estudo realizado com 2.028 jovens entre 15 e 34 anos em Portugal revelou uma prevalência significativa de comportamentos de jogo a dinheiro online, com diferenças de género e idade. Os resultados indicam preocupações para pais, educadores e autoridades públicas devido à crescente adesão a essa forma de entretenimento.

Por que não oferecemos a mesma ajuda a todas as vítimas de ‘cyberbullying’?

Artigo

Por que não oferecemos a mesma ajuda a todas as vítimas de ‘cyberbullying’?


Inclusão Social

Este artigo destaca que tanto o bullying tradicional como o cyberbullying têm uma audiência. As pessoas observadoras podem influenciar o comportamento, seja encorajando ou parando a agressão.