Artigo

Saúde mental depois da infeção por Covid-19

Inês A. Trindade, Helena Pinto, Lara Palmeira, Sérgio Carvalho, Marco Pereira, CINEICC, University of Coimbra, Portugal
Concurso para apoiar projetos de investigação sobre o impacto social da Covid-19 (LL20-3)

O presente estudo visa explorar as consequências sobre a saúde mental de 640 adultos Portugueses pertencentes a três grupos diferentes (sobreviventes da infeção por SARS-CoV-2, indivíduos que foram testados mas nunca com um resultado positivo, e indivíduos que nunca foram testados). Apesar de não terem sido identificadas diferenças entre os três grupos, os níveis de ansiedade e depressão observados foram mais elevados do que aqueles considerados normativos previamente à pandemia. Os resultados também revelaram que a existência de um historial psiquiátrico prévio poderá tornar as pessoas mais vulneráveis a ansiedade e depressão durante a pandemia Covid-19. Os sobreviventes da infeção por SARS-CoV-2 apresentaram preocupação com julgamentos negativos de outras pessoas relacionados com a infeção, e 42% apresentaram sintomas clinicamente significativos de Perturbação de Stress Pós-traumático (PTSD). Maiores níveis de flexibilidade psicológica associaram-se a melhores indicadores psicológicos.
Pontos-chave
  • 1
       De forma geral, cerca de 40% dos sobreviventes apresentaram preocupação com julgamentos negativos de outras pessoas pelo facto de terem sido infetados.
  • 2
       Com base no ponto de corte recomendado para populações médicas, 42% dos sobreviventes da infeção por SARS-CoV-2 apresentaram um possível caso de PTSD.
  • 3
       Todos os grupos analisados apresentaram níveis mais elevados de ansiedade e mais sintomas depressivos em relação aos valores normativos prévios à pandemia.
  • 4
       A existência de um historial psiquiátrico prévio pode aumentar o risco de ansiedade e depressão durante a pandemia Covid-19.
  • 5
       A flexibilidade psicológica associou-se significativamente a melhores indicadores psicológicos entre os sobreviventes da infeção por SARS-CoV-2.
  • 6
       O medo mais relevante dos indivíduos que não testaram positivo para o vírus SARS-CoV-2 foi ter complicações graves devido a uma possível infeção.

Cerca de 40% dos sobreviventes da infeção por SARS-CoV-2 apresentaram pelo menos alguns sentimentos de insegurança relacionados com a infeção pelo vírus SARS-CoV-2, a perceção de que outros poderão julgá-los negativamente por terem sido infetados, e sentimentos de isolamento pelo mesmo motivo.

Classificação

Autor

Inês A. Trindade, Helena Pinto, Lara Palmeira, Sérgio Carvalho, Marco Pereira , CINEICC, University of Coimbra, Portugal

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Artigo

O desemprego prejudica a saúde mental?

Stresse, depressão, insónia, tensão, sensação de inutilidade... Este artigo analisa como a saúde mental dos trabalhadores foi afetada pela crise económica e o desemprego de longa duração.

Artigo

Quem é afetado pela solidão e pelo isolamento social?

O lado mais visível da solidão é perceber que não há ninguém a que se pode recorrer ou confiar em caso de necessidade. Quem são os mais afetados? Analisámos a incidência de fatores como a idade e o género.

Também pode ser do seu interesse

Portugal, Balanço Social 2021 - Um retrato do país e da pandemia

Artigo

Portugal, Balanço Social 2021 - Um retrato do país e da pandemia


Inclusão Social

“Portugal, Balanço Social” é um relatório anual que analisa a pobreza e exclusão social em Portugal.

Como é que as medidas de prevenção de covid-19 afetaram os profissionais das estruturas residenciais para pessoas idosas?

Artigo

Como é que as medidas de prevenção de covid-19 afetaram os profissionais das estruturas residenciais para pessoas idosas?


Inclusão Social

O impacto da pandemia de covid-19 nas estruturas residenciais para pessoas idosas (ERPI) foi investigado, mas sabe-se menos acerca do seu impacto nos profissionais de saúde.

A pandemia e o mercado de trabalho: o que sabemos um ano depois

Artigo

A pandemia e o mercado de trabalho: o que sabemos um ano depois


Inclusão Social

Após mais de um ano de pandemia, o emprego e o número de horas trabalhadas continuam abaixo dos níveis pré-pandemia. O presente estudo utiliza dados secundários do Inquérito às Forças de Trabalho, conduzido pelo INE, e dados de registos nos serviços públicos de emprego (Instituto do Emprego e Formação Profissional).