Publicador de Conteúdo

Artigo

Quem é afetado pela solidão e pelo isolamento social?

Javier Yanguas, Amaya Cilvetti e Cristina Segura, Programa Sénior da Fundação ”la Caixa”;

Tanto a dimensão subjetiva da solidão (sentir-se só) como a exclusão das relações sociais (isolamento social) são circunstâncias que afetam muitos adultos e sobretudo os homens com mais de 65 anos. A prevenção e a intervenção são fatores essenciais para reduzir a presença destes fatores e evitar consequências negativas que vão além da esfera psicológica e têm também implicações sociais e de saúde pública.
observatoriosocial.puntos.clave
  • 1
       O lado mais visível da solidão é a sensação de que não há pessoas a quem recorrer ou em quem confiar em caso de necessidade.
  • 2
       O isolamento do círculo de amizades é maior do que no caso da rede familiar. Por outras palavras, a família está mais presente do que as amizades e protege mais do risco de isolamento social ao longo da vida.
  • 3
       Tanto os sentimentos de solidão como o risco de isolamento social aumentam com a idade e são mais comuns nos homens e nas pessoas com níveis de educação mais baixos.

 

A solidão é um grande problema social e de saúde pública. Para além de afetar o bem-estar psicológico das pessoas, a sua presença está associada a níveis de saúde mais pobres e ao aumento do risco de mortalidade.

Analisar a solidão não é fácil porque se trata de um fenómeno complexo. Antes do mais, é preciso distinguir entre a perceção da solidão (sentir-se só) e a falta objetiva de contactos sociais (isolamento social). A perceção da solidão pode também referir-se à falta da companhia de outras pessoas (solidão social) ou a não ter pessoas em quem confiar e a quem recorrer em caso de necessidade (solidão emocional), bem como o isolamento social pode referir-se à rede de amigos ou a rede familiar.

Considerando as diferenças acima, um estudo realizado pela Fundação ”la Caixa” mostra que tanto a perceção da solidão (na sua dimensão emocional) como o risco de isolamento social (a falta de amigos) afetam um em cada quatro adultos no nosso país (Figura 1). Se combinarmos ambos os aspetos, vemos que 43,6% dos participantes no estudo estavam em risco de isolamento social ou sentiam-se sozinhos.

A solidão não afeta todos os estratos da população por igual. Tanto os sentimentos de solidão como de isolamento social aumentam com a idade, sobretudo entre os reformados mais velhos e tendem a ser mais frequentes nos homens do que nas mulheres. São também mais prevalecentes entre as pessoas com níveis de educação mais baixos.

Classificação

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Artigo

A solidão e as redes sociais: por que nos sentimos tão sós nos locais do mundo mais apinhados de gente?

A utilização das redes sociais torna-se frequentemente compulsiva. Quanto mais frequente e compulsiva se torna a utilização das mesmas, maior a probabilidade de serem relatados sentimentos de solidão. Porque tal acontece?

Artigo

O desemprego prejudica a saúde mental?

Stresse, depressão, insónia, tensão, sensação de inutilidade... Este artigo analisa como a saúde mental dos trabalhadores foi afetada pela crise económica e o desemprego de longa duração.

Artigo

Saúde mental depois da infeção por Covid-19

O presente estudo visa explorar as consequências sobre a saúde mental de 640 adultos Portugueses pertencentes a três grupos diferentes (sobreviventes da infeção por SARS-CoV-2, indivíduos que foram testados mas nunca com um resultado positivo, e indivíduos que nunca foram testados).

Também pode ser do seu interesse

Concurso Flash para apoiar projetos de investigação sobre o impacto social das vidas longevas (FS24-1B)

Concurso

Concurso Flash para apoiar projetos de investigação sobre o impacto social das vidas longevas (FS24-1B)


Inclusão Social

O Observatório Social da Fundação ”la Caixa” anuncia a abertura de um concurso para apoiar projetos de investigação no domínio das Ciências Sociais que estudem o impacto social das vidas longevas, em Portugal, através de um inquérito quantitativo.

Por que não oferecemos a mesma ajuda a todas as vítimas de ‘cyberbullying’?

Artigo

Por que não oferecemos a mesma ajuda a todas as vítimas de ‘cyberbullying’?


Inclusão Social

Este artigo destaca que tanto o bullying tradicional como o cyberbullying têm uma audiência. As pessoas observadoras podem influenciar o comportamento, seja encorajando ou parando a agressão.

«BlindGame»: As atividades de jogo de azar ‘on-line’ dos jovens portugueses

Artigo

«BlindGame»: As atividades de jogo de azar ‘on-line’ dos jovens portugueses


Inclusão Social

Um estudo realizado com 2.028 jovens entre 15 e 34 anos em Portugal revelou uma prevalência significativa de comportamentos de jogo a dinheiro online, com diferenças de género e idade. Os resultados indicam preocupações para pais, educadores e autoridades públicas devido à crescente adesão a essa forma de entretenimento.