Publicador de Conteúdo

Artigo

O desemprego prejudica a saúde mental?

Lídia Farré, Universitat de Barcelona, IAE (CSIC), MOVE e IZA; Francesco Fasani, Queen Mary University of London, IZA e CEPR; Hannes Mueller, IAE (CSIC), Barcelona GSE e MOVE; Adaptação: Michele Catanzaro;

O desemprego de longa duração é uma causa provável de perturbações mentais. O presente artigo pretende analisar como o colapso do setor da construção deixou muitos dos seus trabalhadores sem emprego durante longos períodos. Ao mesmo tempo, de acordo com uma análise dos Inquéritos Nacionais de Saúde, estas pessoas experimentaram uma grande deterioração na sua saúde mental. O peso destas perturbações mentais é tão grande que poderia mesmo ter retardado a recuperação da economia espanhola como um todo.
Pontos-chave
  • 1
       Entre os anos 2006 e 2011, cada vez que a taxa de desemprego no setor da construção aumentou 10 pontos percentuais, as perturbações mentais relatadas pelos trabalhadores que perderam o seu emprego no referido setor aumentaram cerca de 3 pontos percentuais.
  • 2
       A crise em Espanha não só aumentou o desemprego, mas também a sua duração. Em 2006, 2% da população ativa estava desempregada há mais de 2 anos. Em 2011, este grupo tinha quase quadruplicado para quase 8%.
  • 3
       No setor da construção, a incidência do desemprego de longa duração aumentou 18 vezes: de 0,1% da população ativa em 2006 para cerca de 1,8% em 2011.
  • 4
       O rebentamento da bolha imobiliária constitui uma oportunidade única para poder identificar os efeitos do desemprego na saúde mental. Quando uma grande parte da população encontra-se nesta situação, isso acaba por criar uma carga adicional que dificulta a descolagem de qualquer economia.
O desemprego afeta a saúde mental
O desemprego afeta a saúde mental

O desemprego afeta a saúde mental ou vice-versa? O desemprego e a má saúde mental estão relacionados. No entanto, os investigadores têm-se questionado sobre se o desemprego acaba por causar problemas mentais ou se as pessoas com problemas mentais têm mais probabilidades de estar desempregadas. No caso da crise espanhola, devido às suas características extraordinárias, pode inferir-se que o desemprego é mais suscetível de afetar a saúde mental dos trabalhadores, e não o contrário.

Classificação

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Artigo

Portugal, Balanço Social 2022

O relatório “Portugal Balanço Social 2022” analisa o estado económico e social de Portugal, incluindo a distribuição dos apoios durante a pandemia de Covid-19 e o impacto do custo de vida em famílias de diferentes rendimentos, além de abordar a insegurança alimentar.

Artigo

Quem é afetado pela solidão e pelo isolamento social?

O lado mais visível da solidão é perceber que não há ninguém a que se pode recorrer ou confiar em caso de necessidade. Quem são os mais afetados? Analisámos a incidência de fatores como a idade e o género.

Artigo

Saúde mental depois da infeção por Covid-19

O presente estudo visa explorar as consequências sobre a saúde mental de 640 adultos Portugueses pertencentes a três grupos diferentes (sobreviventes da infeção por SARS-CoV-2, indivíduos que foram testados mas nunca com um resultado positivo, e indivíduos que nunca foram testados).

Também pode ser do seu interesse

O abandono académico no ensino superior: Fatores sociodemográficos, económicos e psicossociais na era pós-pandemia

O abandono académico no ensino superior: Fatores sociodemográficos, económicos e psicossociais na era pós-pandemia


Inclusão Social

O estudo revela por que Portugal não atingiu a sua meta de ensino superior e destaca os desafios, económicos e psicossociais, que levam ao abandono académico e oferece insights sobre as dificuldades dos estudantes no contexto pós-pandemia.

Por que não oferecemos a mesma ajuda a todas as vítimas de ‘cyberbullying’?

Artigo

Por que não oferecemos a mesma ajuda a todas as vítimas de ‘cyberbullying’?


Inclusão Social

Este artigo destaca que tanto o bullying tradicional como o cyberbullying têm uma audiência. As pessoas observadoras podem influenciar o comportamento, seja encorajando ou parando a agressão.

«BlindGame»: As atividades de jogo de azar ‘on-line’ dos jovens portugueses

Artigo

«BlindGame»: As atividades de jogo de azar ‘on-line’ dos jovens portugueses


Inclusão Social

Um estudo realizado com 2.028 jovens entre 15 e 34 anos em Portugal revelou uma prevalência significativa de comportamentos de jogo a dinheiro online, com diferenças de género e idade. Os resultados indicam preocupações para pais, educadores e autoridades públicas devido à crescente adesão a essa forma de entretenimento.