Publicador de Conteúdo

Artigo

Participar ou ganhar? Mulheres, homens e competitividade

Pedro Rey Biel, investigador Ramón y Cajal na ESADE-Universitat Ramon Llull; Nagore Iriberri, Ikerbasque research professor na Universidade do País Basco;

Os homens ainda têm salários mais elevados, ocupam mais cargos de gestão do que as mulheres e sofrem taxas de desemprego mais baixas. Porque é que as mulheres não chegam tão longe quanto os homens na esfera profissional? O impacto diferencial das decisões relativas à maternidade e a paternidade na vida profissional das mulheres e dos homens tem sido frequentemente objeto de análise e discussão. No entanto, existem certos aspetos culturais e de socialização que afetam homens e mulheres de forma diferente quando estes competem entre si, sendo que tais aspetos acabam por ter um impacto em ambientes competitivos como é o próprio ambiente de trabalho.
observatoriosocial.puntos.clave
  • 1
       Em termos gerais, a mera existência de um estereótipo negativo sobre um grupo faz com que os indivíduos desse grupo acabem por se sentir submetidos a um exame contínuo que os pressiona e levo-os a ter um desempenho pior, confirmando assim o estereótipo.
  • 2
       Fatores como os estereótipos de género, o tipo de tarefas em que competem, quem são os seus concorrentes ou a informação sobre o seu desempenho anterior nessa tarefa têm um notável efeito sobre a desvantagem das mulheres quando elas competem, o que, por sua vez, pode ter um impacto na sua situação no mercado de trabalho.
  • 3
       Em condições competitivas, estudadas em condições laboratoriais, as diferenças significativas de género no desempenho de tarefas só podem ser observadas em três situações: 1) quando existe um poderoso estereótipo de que as mulheres são piores para realizar uma determinada tarefa; 2) quando o estereótipo é reforçado fazendo os participantes se lembrarem de aspetos que evocam as diferenças de género; e 3) quando as mulheres mais negativamente afetadas são aquelas que acreditam que o estereótipo é verdadeiro.
Raparigas e rapazes no Concurso de Matemática da Primavera. Distribuição por género dos participantes nas diferentes fases eliminatórias do Concurso de Matemática da Primavera (por grupos etários).
Raparigas e rapazes no Concurso de Matemática da Primavera. Distribuição por género dos participantes nas diferentes fases eliminatórias do Concurso de Matemática da Primavera (por grupos etários).

O Concurso de Matemática da Primavera promovido pela região autónoma de Madrid é um caso da vida real que ilustra o preconceito de género nos processos competitivos e permite estudá-lo claramente. Trata-se de um concurso de matemática faseado com a participação de alunos do ensino secundário.

Dividindo os participantes em quatro grupos etários, observa-se que quase não existem mulheres que chegam à fase final até ao ponto que, para os estudantes mais velhos (16-17 anos de idade), não há nenhuma rapariga vencedora no concurso.

Cabe salientar que, para este concurso, são disponibilizadas as notas de matemática de todos os participantes e que, por delas, não se observa praticamente nenhuma diferença entre rapazes e raparigas. Assim sendo, o experimento mostra que o que está em jogo não é propriamente uma questão de conhecimento, mas sim de competitividade. Portanto, à medida que a pressão competitiva é maior, as diferenças de género nos resultados aumentam.

Classificação

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Infodata

Doutorados segundo diferentes ramos do conhecimento e sexo

Enquanto a participação de mulheres doutoradas em Portugal está acima da média da UE-27 em todos os ramos do conhecimento considerados, em Espanha, a participação de mulheres doutoradas está abaixo da média europeia nos ramos das artes, humanidades e ciências sociais.

Artigo

As mulheres têm menos oportunidades de serem contratadas?

Uma experiência sobre a discriminação de género mostrou que as mulheres têm 30% menos probabilidades de serem chamadas para uma entrevista de emprego do que os homens com as mesmas características.

Artigo

As tarefas domésticas e o cuidado dos filhos durante o confinamento, uma responsabilidade assumida principalmente pelas mulheres

Este estudo mostra que, durante o confinamento, as mulheres continuaram a assumir as tarefas domésticas e o cuidado dos filhos a um nível consideravelmente mais elevado, apesar de um ligeiro aumento na participação dos homens.

Também pode ser do seu interesse

Concurso Flash para apoiar projetos de investigação sobre o impacto social das vidas longevas (FS24-1B)

Concurso

Concurso Flash para apoiar projetos de investigação sobre o impacto social das vidas longevas (FS24-1B)


Inclusão Social

O Observatório Social da Fundação ”la Caixa” anuncia a abertura de um concurso para apoiar projetos de investigação no domínio das Ciências Sociais que estudem o impacto social das vidas longevas, em Portugal, através de um inquérito quantitativo.

Por que não oferecemos a mesma ajuda a todas as vítimas de ‘cyberbullying’?

Artigo

Por que não oferecemos a mesma ajuda a todas as vítimas de ‘cyberbullying’?


Inclusão Social

Este artigo destaca que tanto o bullying tradicional como o cyberbullying têm uma audiência. As pessoas observadoras podem influenciar o comportamento, seja encorajando ou parando a agressão.

«BlindGame»: As atividades de jogo de azar ‘on-line’ dos jovens portugueses

Artigo

«BlindGame»: As atividades de jogo de azar ‘on-line’ dos jovens portugueses


Inclusão Social

Um estudo realizado com 2.028 jovens entre 15 e 34 anos em Portugal revelou uma prevalência significativa de comportamentos de jogo a dinheiro online, com diferenças de género e idade. Os resultados indicam preocupações para pais, educadores e autoridades públicas devido à crescente adesão a essa forma de entretenimento.