Publicador de Conteúdo

Artigo

Desigualdades na investigação sobre as desigualdades da Covid-19: quem tinha capacidade de resposta?

Joan Benach, Lucinda Cash-Gibson, Diego F. Rojas-Gualdrón, Álvaro Padilla-Pozo, Juan Fernández Gracia, Víctor M. Eguíluz, e o grupo COVID-SHINE;
Projeto selecionado no Concurso de Investigação Social 2019 (LCF/PR/SR20/52550011)

A pandemia de Covid-19 testou as capacidades e a preparação dos países para responderem ativamente e para colaborarem face a uma ameaça global comum. No projeto em que este artigo se baseia, foram analisados os artigos científicos publicados entre janeiro de 2020 e abril de 2021 sobre as desigualdades associadas à Covid-19. O estudo foi realizado em termos de volume de produção, distribuição por grupo de rendimento e região do mundo do país, e colaborações entre países. Os resultados revelam que a investigação sobre as desigualdades da Covid-19 foi extremamente colaborativa; contudo, existe desigualdade nestas colaborações. Além disso, emergiram novas dinâmicas e parcerias, em comparação com o campo da investigação sobre as desigualdades globais no domínio da saúde (pré-Covid-19), o que merece uma investigação mais aprofundada.
Pontos-chave
  • 1
       Entre janeiro de 2020 e 23 de abril de 2021, foram publicados em todo o mundo 9 355 artigos científicos sobre as desigualdades associadas à Covid-19, e 140 países contribuíram para a publicação de pelo menos um artigo.
  • 2
       O recente campo de investigação das desigualdades da Covid-19 tem sido extremamente colaborativo, embora existam práticas de investigação desiguais nestas colaborações, entre países, entre grupos de rendimento e entre regiões mundiais.
  • 3
       Em termos de regiões mundiais, a América do Norte e a Europa e Ásia Central foram as que mais contribuíram para esta investigação. O Médio Oriente e a região do Norte de África são o terceiro maior produtor regional em matéria de investigação sobre as desigualdades da Covid-19, e aumentaram de forma significativa a respetiva produtividade científica, em comparação com o campo da investigação sobre as desigualdades globais no domínio da saúde (pré-Covid-19).
  • 4
       No âmbito deste campo de investigação, foram identificados três grupos principais de colaboração: um grupo que incluía países anglo-saxões, asiáticos e africanos, um segundo grupo que incluía sobretudo países europeus e o Chile, e um terceiro grupo constituído principalmente por quatro países latino-americanos: Colômbia, Brasil, México e Argentina.
  • 5
       Antes da pandemia, as provas demonstravam que existiam desigualdades na capacidade mundial de produção de investigação sobre desigualdades na saúde, o que provavelmente reduziu a capacidade e prontidão de resposta de muitos países à Covid-19.
  • 6
       Para garantir uma preparação proativa para futuras crises e estratégias eficazes para enfrentar as crescentes desigualdades na saúde, o investimento em capacidades relacionadas com a investigação tem de ser uma prioridade em todos os países.

Mapa do mundo que mostra os diversos graus de colaborações de diferentes países na investigação sobre as desigualdades da Covid-19. A cor de cada país reflete o número de artigos produzido em colaboração com outros países (aumentando de vermelho para azul).

A cor das ligações codifica o número de artigos em que os dois países ligados aparecem (aumentando de amarelo para vermelho, com a ligação verde que indica o grupo de investigação “com maior produtividade”). 

Classificação

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Artigo

Sinais subtis de enviesamentos raciais entre professores do 3.º ciclo do ensino básico em Portugal

Em Portugal, os professores fazem recomendações diferentes em função de os estudantes serem negros ou brancos?

Artigo

Compreender o crescimento do discurso de ódio online, em Portugal e Espanha: um hiato entre a ocorrência e a denúncia

O discurso de ódio online, que traz sérias consequências aos indivíduos e à sociedade, apresenta-se como uma crescente ameaça à coesão social e aos valores europeus fundamentais, com tendência para o agravamento das suas consequências.

Artigo

O impacto da Covid-19 na Pobreza e Desigualdade em Portugal, e o efeito mitigador das políticas de proteção

Qual foi o impacto da pandemia de Covid-19 na pobreza e na desigualdade em Portugal? Este artigo demonstra em que medida a crise provocada pela pandemia resultou numa perda de rendimentos para a população portuguesa e como o seu impacto foi assimétrico nas várias regiões do país.

Artigo

Estudo experimental sobre o enviesamento atencional nos cuidados médicos durante a pandemia de Covid-19

Em diversos países, a incidência, prevalência e taxas de mortalidade do vírus da Covid-19 afetaram desproporcionalmente pessoas não brancas, mas até ao momento não se dispõem de dados publicados que permitam explicar este fenómeno. Será que as admissão em unidades de cuidados intensivos (UCI) são proporcionais entre os brancos e os negros?

Também pode ser do seu interesse

Sinais subtis de enviesamentos raciais entre professores do 3.º ciclo do ensino básico em Portugal

Artigo

Sinais subtis de enviesamentos raciais entre professores do 3.º ciclo do ensino básico em Portugal


Inclusão Social

Em Portugal, os professores fazem recomendações diferentes em função de os estudantes serem negros ou brancos?

«BlindGame»: As atividades de jogo de azar ‘on-line’ dos jovens portugueses

Artigo

«BlindGame»: As atividades de jogo de azar ‘on-line’ dos jovens portugueses


Inclusão Social

Um estudo realizado com 2.028 jovens entre 15 e 34 anos em Portugal revelou uma prevalência significativa de comportamentos de jogo a dinheiro online, com diferenças de género e idade. Os resultados indicam preocupações para pais, educadores e autoridades públicas devido à crescente adesão a essa forma de entretenimento.

Por que não oferecemos a mesma ajuda a todas as vítimas de ‘cyberbullying’?

Artigo

Por que não oferecemos a mesma ajuda a todas as vítimas de ‘cyberbullying’?


Inclusão Social

Este artigo destaca que tanto o bullying tradicional como o cyberbullying têm uma audiência. As pessoas observadoras podem influenciar o comportamento, seja encorajando ou parando a agressão.