Perceção dos professores, profissionais de saúde e idosos portugueses relativamente à vacinação contra a Covid-19

Tânia Magalhães Silva, Marta Estrela, Maria Teresa Herdeiro, Instituto de Biomedicina (iBiMED)
Vítor Roque, Fátima Roque, Unidade de Investigação para o Desenvolvimento do Interior
Eva Rebelo Gomes, Serviço de Imunoalergologia, Centro Hospitalar Universitário do Porto
Adolfo Figueiras, Instituto de Investigação em Saúde de Santiago de Compostela (IDIS)
Concurso para apoiar projetos de investigação baseados em inquéritos sobre o impacto da Covid-19 (LL20-4)

O objetivo deste estudo é identificar e avaliar as principais perceções, atitudes e conhecimentos em relação à vacinação contra a Covid-19 de três grupos de risco: professores, profissionais de saúde e idosos. Foi aplicado um questionário online a professores (n=1062) e profissionais de saúde (n=890), e um questionário por entrevista telefónica assistida por computador aos idosos (n=602). Nos três grupos, a maioria dos participantes acredita que a vacinação será eficaz para acabar com a pandemia.
Pontos-chave
  • 1
       As vacinas são amplamente aceites pelos participantes dos três grupos, independentemente do sexo, idade, nível de escolaridade e/ou região geográfica. Além disso, apesar da taxa de cobertura vacinal dos participantes ser de aproximadamente 50%, cerca de 90% dos inquiridos estavam dispostos a tomar a vacina o mais rapidamente possível.
  • 2
       Embora os participantes estivessem conscientes do potencial da vacinação para pôr fim à pandemia de Covid-19, principalmente através da prevenção da infeção e das complicações associadas, uma grande proporção (superior a 30%) mostrou-se cética em relação a este resultado.
  • 3
       A hesitação na vacinação estava principalmente relacionada com a incerteza sobre a eficácia e possíveis efeitos indesejáveis da vacina, particularmente entre professores e profissionais de saúde (~50%), e não com a origem do fabricante da vacina, salientando a necessidade de aumentar a confiança na vacina.
  • 4
       Mais de 75% dos participantes consideraram as autoridades competentes como uma fonte de informação fiável relativamente à vacinação contra a Covid-19. Em contraste, apenas 41%, 36% e 59% dos professores, profissionais de saúde e idosos, respetivamente, consideraram os meios de comunicação social como sendo fiáveis.
  • 5
       Enquanto cerca de 90% dos professores e profissionais de saúde gostariam de ser testados quanto à resposta imunitária obtida após infeção por Covid-19 ou vacinação, apenas cerca de 2/3 dos idosos partilhavam o mesmo desejo.

A pandemia de Covid-19 tem vindo a afetar milhões de pessoas em todo o mundo. Por conseguinte, torna-se essencial investigar o conhecimento e as preocupações das pessoas quanto ao impacto da pandemia, com a finalidade de combater a hesitação para a vacinação e a desinformação, de forma a prevenir a doença e promover a saúde pública. Mais de 60% dos participantes concordaram que a pandemia de Covid-19 irá terminar quando a maioria da população tiver recebido a vacina (Figura 1).

Classificação

Autor

Tânia Magalhães Silva, Marta Estrela, Maria Teresa Herdeiro , Instituto de Biomedicina (iBiMED)
Vítor Roque, Fátima Roque , Unidade de Investigação para o Desenvolvimento do Interior
Eva Rebelo Gomes , Serviço de Imunoalergologia, Centro Hospitalar Universitário do Porto
Adolfo Figueiras , Instituto de Investigação em Saúde de Santiago de Compostela (IDIS)

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Artigo

Ensino e aprendizagem à distância em Portugal durante a pandemia de Covid-19: diferenças entre escolas públicas e escolas privadas

Em Portugal, a pandemia de Covid-19 levou ao encerramento temporário das escolas e a uma implementação generalizada do ensino à distância. O presente estudo utiliza dados recolhidos através de um inquérito feito a professores entre os meses de março de 2020 e janeiro de 2021, em três rondas de questionários.

Artigo

Pandemia de Covid-19 e educação em creche em Portugal: medidas de prevenção e controlo, práticas pedagógicas e bem-estar

Esta investigação aborda a implementação de medidas de prevenção e controlo da Covid-19, práticas pedagógicas, bem-estar de crianças e profissionais e literacia em saúde digital nos serviços de educação precoce para crianças dos 0-3 anos em Portugal.

Também pode ser do seu interesse

Artigo

A pandemia e o mercado de trabalho: o que sabemos um ano depois

A pandemia e o mercado de trabalho: o que sabemos um ano depois

Inclusão Social

Após mais de um ano de pandemia, o emprego e o número de horas trabalhadas continuam abaixo dos níveis pré-pandemia. O presente estudo utiliza dados secundários do Inquérito às Forças de Trabalho, conduzido pelo INE, e dados de registos nos serviços públicos de emprego (Instituto do Emprego e Formação Profissional).

Artigo

Saúde mental depois da infeção por Covid-19

Saúde mental depois da infeção por Covid-19

Inclusão Social

O presente estudo visa explorar as consequências sobre a saúde mental de 640 adultos Portugueses pertencentes a três grupos diferentes (sobreviventes da infeção por SARS-CoV-2, indivíduos que foram testados mas nunca com um resultado positivo, e indivíduos que nunca foram testados).

Artigo

Estudo experimental sobre o enviesamento atencional nos cuidados médicos durante a pandemia de Covid-19

Estudo experimental sobre o enviesamento atencional nos cuidados médicos durante a pandemia de Covid-19

Inclusão Social

Em diversos países, a incidência, prevalência e taxas de mortalidade do vírus da Covid-19 afetaram desproporcionalmente pessoas não brancas, mas até ao momento não se dispõem de dados publicados que permitam explicar este fenómeno. Será que as admissão em unidades de cuidados intensivos (UCI) são proporcionais entre os brancos e os negros?

// ]]>