A pandemia e o mercado de trabalho: o que sabemos um ano depois

Bruno P. Carvalho, Nova School of Business and Economics e ECARES (Université Libre de Bruxelles)
Mariana Esteves, Nova School of Business and Economics
Susana Peralta, Nova School of Business and Economics

Após mais de um ano de pandemia, o emprego e o número de horas trabalhadas continuam abaixo dos níveis pré-pandemia. O salário médio aumentou, muito provavelmente devido à destruição de empregos precários e de baixa remuneração. As inscrições nos serviços públicos de emprego aumentaram, sobretudo na região do Algarve, caracterizada por uma grande atividade turística. Os trabalhadores com ensino inferior ao secundário perderam 126 mil contratos temporários e 120 mil contratos permanentes, no período compreendido entre os primeiros trimestres de 2019 e 2021. No mesmo período, a formalização de contratos temporários e permanentes aumentou para trabalhadores com ensino superior. A média de horas semanais trabalhadas diminuiu, principalmente para trabalhadores com salários baixos, jovens e famílias com crianças (especialmente famílias monoparentais). O presente estudo utiliza dados secundários do Inquérito às Forças de Trabalho, conduzido pelo INE, e dados de registos nos serviços públicos de emprego (Instituto do Emprego e Formação Profissional).
Pontos-chave
  • 1
       Entre o segundo trimestre de 2020 e o primeiro trimestre de 2021, o número médio de horas semanais trabalhadas diminuiu mais de 40 minutos para as famílias com salários mais baixos e aumentou quase 1 hora para as famílias com salários mais altos.
  • 2
       O número de pessoas na lista de candidatos a emprego aumentou 28% entre fevereiro e dezembro de 2020, principalmente pelo aumento de 30% nas inscrições de indivíduos com ensino secundário. Este aumento foi mais pronunciado (e persistente) na região do Algarve.
  • 3
       A transição do emprego para o desemprego ou inatividade aumentou entre 2019 e 2020. Entre os segundos trimestres de 2019 e 2020, foi pelo menos três vezes mais frequente do que entre 2018 e 2019.
  • 4
       O salário médio aumentou de 929 euros para 982 euros entre os primeiros trimestres de 2020 e 2021. No mesmo período, o número de contratos temporários diminuiu. Isto sugere que a destruição de emprego estava concentrada em empregos precários e com salários mais baixos.
  • 5
       No primeiro trimestre de 2021, mais de 30% dos trabalhadores com ensino superior trabalharam à distância, em comparação com 11% e 2% de trabalhadores com ensino secundário e básico ou menos, respetivamente.

Na sequência da crise causada pela pandemia de covid-19, vários estudos quantificaram os impactos desiguais da pandemia no mercado de trabalho, sobre os trabalhadores temporários em todo o mundo. O impacto da pandemia no mercado de trabalho em Portugal é altamente heterogéneo entre os grupos populacionais. As restrições de mobilidade induziram uma mudança para o teletrabalho, que só foi possível em certas ocupações. A prevalência do trabalho à distância é maior para os indivíduos com ensino superior. No primeiro trimestre de 2021, estes indivíduos tinham três vezes mais probabilidades de trabalhar à distância do que indivíduos com ensino secundário e 21 vezes mais probabilidades que aqueles com ensino básico.

Classificação

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Artigo

Os imigrantes são mais ambiciosos do que os seus compatriotas que não emigram?

A emigração envolve sempre uma dose de ambição? Analisámos se existe uma maior orientação para o sucesso, para o risco e para o dinheiro nos imigrantes em comparação com quem não emigrou

Artigo

A evolução da economia e a rejeição da imigração na Europa

Por detrás da rejeição do outro e da xenofobia encontram-se fatores económicos específicos, tais como a evolução macroeconómica do país, a vulnerabilidade económica individual e a exposição dos trabalhadores à concorrência no trabalho.

Artigo

Participar ou ganhar? Mulheres, homens e competitividade

As mulheres não são tão boas para competir? Este artigo mostra a existência de fatores culturais que podem explicar parte da discriminação que as mulheres sofrem no mercado de trabalho.

Artigo

O desemprego prejudica a saúde mental?

Stresse, depressão, insónia, tensão, sensação de inutilidade... Este artigo analisa como a saúde mental dos trabalhadores foi afetada pela crise económica e o desemprego de longa duração.

Artigo

As mães são penalizadas no que diz respeito às promoções no emprego?

O facto de ser mãe é uma desvantagem quando se trata de conseguir uma promoção no emprego? Este estudo mostra que não é, sempre que não se pretenda a flexibilidade de horários, a redução da jornada de trabalho ou a realização das funções através do teletrabalho.

Também pode ser do seu interesse

Artigo

Saúde mental depois da infeção por Covid-19

Saúde mental depois da infeção por Covid-19

Inclusão Social

O presente estudo visa explorar as consequências sobre a saúde mental de 640 adultos Portugueses pertencentes a três grupos diferentes (sobreviventes da infeção por SARS-CoV-2, indivíduos que foram testados mas nunca com um resultado positivo, e indivíduos que nunca foram testados).

Artigo

Estudo experimental sobre o enviesamento atencional nos cuidados médicos durante a pandemia de Covid-19

Estudo experimental sobre o enviesamento atencional nos cuidados médicos durante a pandemia de Covid-19

Inclusão Social

Em diversos países, a incidência, prevalência e taxas de mortalidade do vírus da Covid-19 afetaram desproporcionalmente pessoas não brancas, mas até ao momento não se dispõem de dados publicados que permitam explicar este fenómeno. Será que as admissão em unidades de cuidados intensivos (UCI) são proporcionais entre os brancos e os negros?

Artigo

Perceção dos professores, profissionais de saúde e idosos portugueses relativamente à vacinação contra a Covid-19

Perceção dos professores, profissionais de saúde e idosos portugueses relativamente à vacinação contra a Covid-19

Inclusão Social

O objetivo deste estudo é identificar e avaliar as principais perceções, atitudes e conhecimentos em relação à vacinação contra a Covid-19 de três grupos de risco: professores, profissionais de saúde e idosos.