Artigo

O que influencia mais a posição social de uma pessoa: as próprias competências ou a origem familiar?

Gøsta Esping-Andersen, Universidade Pompeu Fabra; Jorge Cimentada, Max Planck Institute of Demographic Research;

Em todas as democracias avançadas, os filhos de pais com ensino superior são mais propensos a alcançar posições sociais elevadas, independentemente das suas próprias competências. No entanto, aqueles com altos níveis de competências têm melhores perspetivas de vida, mesmo que provenham de origens familiares menos favorecidas.
Pontos-chave
  • 1
       O presente estudo pretende analisar a influência relativa da origem familiar e das competências cognitivas e não cognitivas na mobilidade social em 21 democracias avançadas.
  • 2
       Em geral, os filhos de pessoas com ensino superior são mais propensos do que os demais a alcançar uma melhor posição social, e estão também mais protegidos contra o risco de cair para a classe trabalhadora, mesmo que tenham um nível de competências relativamente baixo.
  • 3
       Aqueles que nascem em famílias menos instruídas, mas possuem maiores competências, têm mais oportunidades de subir degraus da escala social.
  • 4
       Em Itália e Espanha, o efeito do meio social na posição de destino é muito acentuado. As pessoas com origem familiar privilegiada (pais com ensino superior) têm uma vantagem muito maior no acesso a posições sociais elevadas e estão especialmente protegidas contra o risco de cair para posições sociais baixas.

Em todos os países, os filhos de pais com ensino superior são mais propensos a acabar em posições sociais mais elevadas do que aqueles cujos pais não têm este nível de formação. Contudo, existem diferenças importantes entre os países. Nos países nórdicos, no Canadá ou nos Países Baixos, esta vantagem é relativamente pequena. Em contrapartida, em países como Espanha ou Itália, a influência da família de origem na mobilidade social é muito mais acentuada, e as diferenças nas oportunidades de mobilidade, tanto dos filhos de pais com alto nível de formação e como dos filhos com baixo nível de formação, são muito grandes.

Classificação

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Artigo

Os imigrantes são mais ambiciosos do que os seus compatriotas que não emigram?

A emigração envolve sempre uma dose de ambição? Analisámos se existe uma maior orientação para o sucesso, para o risco e para o dinheiro nos imigrantes em comparação com quem não emigrou

Artigo

A evolução da economia e a rejeição da imigração na Europa

Por detrás da rejeição do outro e da xenofobia encontram-se fatores económicos específicos, tais como a evolução macroeconómica do país, a vulnerabilidade económica individual e a exposição dos trabalhadores à concorrência no trabalho.

Artigo

Participar ou ganhar? Mulheres, homens e competitividade

As mulheres não são tão boas para competir? Este artigo mostra a existência de fatores culturais que podem explicar parte da discriminação que as mulheres sofrem no mercado de trabalho.

Artigo

O desemprego prejudica a saúde mental?

Stresse, depressão, insónia, tensão, sensação de inutilidade... Este artigo analisa como a saúde mental dos trabalhadores foi afetada pela crise económica e o desemprego de longa duração.

Artigo

As mães são penalizadas no que diz respeito às promoções no emprego?

O facto de ser mãe é uma desvantagem quando se trata de conseguir uma promoção no emprego? Este estudo mostra que não é, sempre que não se pretenda a flexibilidade de horários, a redução da jornada de trabalho ou a realização das funções através do teletrabalho.

Também pode ser do seu interesse

Portugal, Balanço Social 2021 - Um retrato do país e da pandemia

Artigo

Portugal, Balanço Social 2021 - Um retrato do país e da pandemia


Inclusão social

“Portugal, Balanço Social” é um relatório anual que analisa a pobreza e exclusão social em Portugal.

Como é que as medidas de prevenção de covid-19 afetaram os profissionais das estruturas residenciais para pessoas idosas?

Artigo

Como é que as medidas de prevenção de covid-19 afetaram os profissionais das estruturas residenciais para pessoas idosas?


Inclusão social

O impacto da pandemia de covid-19 nas estruturas residenciais para pessoas idosas (ERPI) foi investigado, mas sabe-se menos acerca do seu impacto nos profissionais de saúde.

A pandemia e o mercado de trabalho: o que sabemos um ano depois

Artigo

A pandemia e o mercado de trabalho: o que sabemos um ano depois


Inclusão social

Após mais de um ano de pandemia, o emprego e o número de horas trabalhadas continuam abaixo dos níveis pré-pandemia. O presente estudo utiliza dados secundários do Inquérito às Forças de Trabalho, conduzido pelo INE, e dados de registos nos serviços públicos de emprego (Instituto do Emprego e Formação Profissional).