Boas Práticas

Os instrumentos de participação cívica no domínio da inovação tecnológica

A participação cívica é um instrumento valioso para conhecer a opinião da sociedade sobre os potenciais impactos da Ciência e Tecnologia. É extremamente útil para explorar os desafios socioeconómicos e jurídicos relacionados com as novas tecnologias e respetivas aplicações, e também para a geração de confiança e para a gestão dos riscos e dos problemas éticos.

 

Dados básicos

  • Âmbito geográfico: internacional.
     
  • Fontes: 

DEPARTMENT FOR BUSINESS, ENERGY AND INDUSTRIAL STRATEGY (2021): The use of public engagement for technological innovation. Literature review and case studies. BEIS Research Paper n.º 2021/003.

1. Contexto

Considera-se que a inovação tecnológica contribui significativamente para o progresso das sociedades e das economias em geral. As tecnologias e a sua aplicação, contudo, também trazem consigo múltiplos desafios sociais, económicos e de regulação. A forma de aproveitar os benefícios da inovação tecnológica, abordando simultaneamente os riscos associados a estes desenvolvimentos, é objeto de muitos debates de governos, organismos reguladores, indústria, academia e cidadãos em geral. Um aspeto fundamental associado a estas discussões e debates é a participação cívica, cada vez mais reconhecida como um instrumento valioso para encorajar a transparência e abertura, conciliar as necessidades dos cidadãos, aumentar a representatividade e gerar confiança na tomada de decisões e nas próprias tecnologias.

2. Debate

No contexto da inovação tecnológica, a participação cívica refere-se ao envolvimento de um grupo diversificado de pessoas em discussões e debates sobre as potenciais aplicações das tecnologias novas e emergentes. Permite abordar diferentes temas concretos, como a sua gestão e regulamentação, bem como outras questões gerais que poderão resultar da forma como estas tecnologias são desenvolvidas e adotadas.

Os métodos e abordagens usados variam significativamente. Os métodos mais tradicionais incluem inquéritos, consultas públicas, workshops, focus groups e júris de cidadãos. Mais recentes, os métodos inovadores incluem a utilização de abordagens criativas baseadas na arte, jogos sérios, tecnologias digitais e plataformas online. As abordagens consultivas (como os inquéritos, entrevistas e focus groups) são um método consolidado de recolha de informação de uma amostra selecionada de cidadãos. Os métodos deliberativos são especialmente úteis para explorar tópicos em profundidade, e quando existe uma potencial incerteza ou controvérsia. Alguns métodos inovadores (como os baseados na arte ou as técnicas experimentais) podem ajudar a tornar a participação cívica mais significativa, ajudando os cidadãos a compreender a forma como uma inovação tecnológica pode encaixar nas suas vidas quotidianas ou afetá-las, e também aumentam a diversidade da participação. A utilização de abordagens online pode acelerar o processo de participação, captar as opiniões dos cidadãos em grande escala, e aumentar a inclusão e a cobertura geográfica.

Os desafios da participação cívica incluem garantir que são usados os métodos mais adequados em cada situação e que se dispõe do financiamento adequado. É também essencial dispor do tempo necessário para planear e executar iniciativas bem-sucedidas, assegurando que os decisores e os investigadores reconhecem o seu valor, e ter a capacidade e as competências necessárias para as executar e comunicar. 

3. Conclusões

A eficácia das técnicas de participação cívica aplicadas à inovação tecnológica tende a não ser avaliada formalmente, e os resultados de muitos destes métodos são ainda limitados. Em geral, as evidências sobre o seu impacto são mais fortes para as abordagens tradicionais, e mais escassas relativamente às técnicas menos convencionais, frequentemente materializadas em prova de conceitos para demonstrar a viabilidade de determinada abordagem. O resultado mais comunicado é o aumento da sensibilização e da compreensão da inovação tecnológica, mas também existem exemplos de iniciativas de participação cívica incidentes sobre aspetos de confiança pública, sobre políticas e regulamentos, ou que contribuíram para sustentar a adoção de inovação tecnológica pelo mercado, ou para impulsionar alterações nos modelos de negócio. 

Classificação

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

El aburrimiento, por Josefa Ros

Josefa Ros, filósofa e investigadora en la Universidad Complutense de Madrid, nos desvela conocimientos relevantes sobre una experiencia que todo el mundo ha vivido: el aburrimiento.

¿Afectan el género, la experiencia y la carga de trabajo en las decisiones judiciales sobre violencia de género?

¿Jueces y juezas son igual de proclives a conceder órdenes de alejamiento en casos de violencia de género? Según este estudio, el género por sí solo no es determinante, pero sí es un factor clave unido a la experiencia y al volumen de casos.

Social Research Call

Concursos Flash

El café del observatorio

Também pode ser do seu interesse

Porcentaje de personas que se sitúan por encima de sus padres o abuelos en la escala social

Porcentaje de personas que se sitúan por encima de sus padres o abuelos en la escala social


El 29 % de los españoles se sitúan socialmente por encima de sus padres y más del 40 % opinan que han ascendido en la escala social respecto a sus abuelos.

Número de generaciones necesarias para que los nacidos en familias de bajos ingresos puedan aproximarse al nivel medio de ingresos en su sociedad

Número de generaciones necesarias para que los nacidos en familias de bajos ingresos puedan aproximarse al nivel medio de ingresos en su sociedad


Según este indicador, en España son necesarias 4 generaciones para mejorar los ingresos de una familia con una economía precaria.

Tasa de fecundidad

Tasa de fecundidad


La tasa de fecundidad de las mujeres en España es de 1,23 hijos por mujer, el segundo país de la Unión Europea con la tasa más baja.