Boas Práticas

O programa Challenge-Driven Innovation

O Challenge-Driven Innovation é um programa de financiamento de investigação e inovação, pioneiro na Europa devido à sua abordagem multidisciplinar, intersetorial e orientada para os desafios, que serviu de modelo e inspiração a iniciativas posteriores lançadas por outros organismos financiadores e pela própria União Europeia.

 

Dados básicos
 

  • Âmbito geográfico: Suécia.
     
  • Fontes: 

Vinnova

BREITINGER, J. C. et al. (2021): Good practices in mission-oriented innovation strategies and their implementation. Innovation for Transformation - Fostering Innovation to Address Societal Challenges. Results Paper 1. Results Paper 1. Bertelsmann Stiftung, 2021. 

1. Contexto

É essencial que exista uma estratégia política ambiciosa e transversal em matéria da investigação e inovação para impulsionar uma mudança orientada para o futuro. A inovação surge da criatividade, do diálogo e da diversidade de perspetivas. Assim, são necessários instrumentos de financiamento que ajudem a mobilizar novos intervenientes e a estabelecer colaborações interdisciplinares duradouras, melhorando a capacidade de enfrentar os desafios sociais da Agenda 2030.

2. Debate

O Challenge-Driven Innovation é um programa de financiamento de investigação e inovação desenvolvido pela agência sueca de inovação, Vinnova, para financiar projetos colaborativos de longo prazo dedicados a resolver desafios sociais. 

Para que um projeto possa ser financiado, deve cumprir determinados requisitos, tais como responder aos desafios sociais com uma perspetiva sistémica, ser inovador e basear-se nas necessidades, ser capaz de gerar um crescimento sustentável e benefícios sociais que contribuam para alcançar os objetivos de sustentabilidade da Agenda 2030, e integrar a perspetiva de género. Os consórcios de projetos devem adotar uma abordagem centrada na resolução de problemas que integre diferentes setores e disciplinas. O projeto deve fundar-se na colaboração ativa entre vários tipos de agentes e envolver as organizações necessárias para ser bem-sucedido. Entre estas, cabe mencionar as do setor académico, as da indústria e as do setor público, assim como os utilizadores finais, que são o objetivo primordial do programa. Os avaliadores também têm em consideração outras questões, como a paridade de género nos consórcios.

O programa consiste num processo com três fases. Os projetos são rigorosamente avaliados entre cada etapa, e para cada fase posterior é selecionado um número decrescente de projetos para receber financiamento. Na primeira fase, o financiamento é concedido para o início e desenvolvimento da ideia inovadora e para o planeamento da forma como será desenvolvida e usada. Depois da avaliação, os consórcios selecionados recebem financiamento para uma segunda fase para apoiar a colaboração. Os participantes começam a desenvolver e a testar as soluções inovadoras.

Finalmente, alguns projetos são selecionados para uma terceira fase final que apoia a implementação, testes à escala real em ambientes reais e demonstrações. Este modelo de financiamento em três fases tem diversas vantagens: oferece a oportunidade de garantir financiamento a um maior número de projetos (na primeira fase) para desenvolverem as suas ideias, e torna mais fácil trazer para as colaborações novos intervenientes que não tenham sido alcançados anteriormente. Podem ser assumidos muitos mais riscos na primeira fase, e à medida que os projetos progridem para as fases seguintes podem ser mais desenvolvidos e podem concentrarem-se numa qualidade mais elevada. 

O programa foi lançado em 2011, tendo um processo de avaliação contínua contribuído para o seu aperfeiçoamento e desenvolvimento. Os bons resultados produzidos ao longo do tempo transformaram-no de atividade experimental num programa consolidado, com o consequente aumento dos recursos atribuídos.

3. Conclusões

A transformação da Vinnova deveu-se, em grande medida, à introdução deste programa. O modelo interdisciplinar, transversal e orientado para os desafios, introduzido pelo programa, resultou em novos métodos de trabalho em toda a agência. Foi abraçada por toda a organização uma perspetiva de desafio. A tipologia das entidades financiadas pela Vinnova alargou-se, passando de ser principalmente da indústria e da investigação para incluir cada vez mais outros atores, como o setor público e organizações da sociedade civil. Além disso, verificou-se uma deslocação de um foco implícito na inovação técnica para um conceito de inovação muito mais vasto.

Classificação

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

El aburrimiento, por Josefa Ros

Josefa Ros, filósofa e investigadora en la Universidad Complutense de Madrid, nos desvela conocimientos relevantes sobre una experiencia que todo el mundo ha vivido: el aburrimiento.

¿Afectan el género, la experiencia y la carga de trabajo en las decisiones judiciales sobre violencia de género?

¿Jueces y juezas son igual de proclives a conceder órdenes de alejamiento en casos de violencia de género? Según este estudio, el género por sí solo no es determinante, pero sí es un factor clave unido a la experiencia y al volumen de casos.

Social Research Call

Concursos Flash

El café del observatorio

Também pode ser do seu interesse

Porcentaje de personas que se sitúan por encima de sus padres o abuelos en la escala social

Porcentaje de personas que se sitúan por encima de sus padres o abuelos en la escala social


El 29 % de los españoles se sitúan socialmente por encima de sus padres y más del 40 % opinan que han ascendido en la escala social respecto a sus abuelos.

Número de generaciones necesarias para que los nacidos en familias de bajos ingresos puedan aproximarse al nivel medio de ingresos en su sociedad

Número de generaciones necesarias para que los nacidos en familias de bajos ingresos puedan aproximarse al nivel medio de ingresos en su sociedad


Según este indicador, en España son necesarias 4 generaciones para mejorar los ingresos de una familia con una economía precaria.

Tasa de fecundidad

Tasa de fecundidad


La tasa de fecundidad de las mujeres en España es de 1,23 hijos por mujer, el segundo país de la Unión Europea con la tasa más baja.