Boas Práticas

Alterações nos sistemas de avaliação científica

São cada vez mais as vozes que defendem alterações que melhorem os sistemas de avaliação da atividade científica. Reivindicam o desenvolvimento e a aplicação de critérios que valorizem diferentes qualidades e contributos em investigação, e não apenas a visibilidade dos estudos ou os indicadores bibliométricos das publicações científicas.

 

Dados básicos
 

  • Âmbito geográfico: internacional.
     
  • Fontes: 

CURRY, S., et al. (2020): The changing role of funders in responsible research assessment: progress, obstacles and the way ahead, Research on Research Institute. 

DELGADO-LÓPEZ-CÓZAR, E. et al. (2021): «Letter: A call for a radical change in research evaluation in Spain», Profesional de la Información, 30(3). 

1. Contexto

Na última década, intensificaram-se os debates na comunidade científica internacional sobre a forma como a Ciência é financiada e praticada. Nestas discussões, equaciona-se a forma como a atividade científica pode conseguir uma maior abertura e inclusão e alcançar um maior impacto. Estes debates são acompanhados de reflexões críticas acerca dos processos e dos critérios de avaliação da investigação.

2. Debate

O uso de indicadores bibliométricos baseados nos índices de impacto das revistas alargou-se a todos os ramos do conhecimento e a praticamente todos os domínios da atividade científica. Os sistemas de avaliação passaram de basear-se em avaliações de peritos para dependerem quase exclusivamente destas métricas.

Esta utilização abusiva de indicadores bibliométricos está a gerar consequências perniciosas à escala individual e coletiva. A atividade científica transforma-se numa espiral dedicada a acumular mais e mais publicações e a aumentar o número de citações. Os investigadores concentram-se na publicação como a meta principal e ignoram outras atividades que não beneficiam as suas carreiras. A pressão para publicar aumenta o número de trabalhos irrelevantes e incentiva a proliferação de más práticas e de comportamentos pouco éticos. A governança e as linhas estratégicas das universidades e dos centros de investigação são alteradas. Ocorre uma redução na diversidade das agendas de investigação, e as linhas lentas na produção de resultados (incertas, complexas ou custosas) são abandonadas a favor de temas em voga, com rendimentos seguros e imediatos. 

Perante esta situação, surgiram diversas iniciativas e declarações à escala mundial (como a Declaração de São Francisco sobre a Avaliação da Investigação [DORA], de 2013, ou o Manifesto de Leiden, de 2015) que defendem mudanças nos sistemas de avaliação e a que aderiram numerosas instituições de todo o mundo. Nos últimos anos, diversas organizações de diferentes áreas académicas e regiões do mundo iniciaram um processo de reforma dos seus processos de avaliação e estão a ensaiar novas práticas, como o uso de formatos narrativos de currículos, a valorização de ações vinculadas ao avanço da Ciência aberta, as referências à multidisciplinaridade, a avaliação por pares e a atenção à relevância e ao impacto local e social dos contributos.

3. Conclusões

O grande número de iniciativas que se estão a desenvolver nos últimos anos sugere que a avaliação da investigação entrou numa nova era. As práticas exclusivamente baseadas em avaliações quantitativas e no uso exclusivo do fator de impacto das revistas estão a ser abandonadas, e caminha-se para novos modelos de avaliação que procuram ser mais plurais e considerar também outros fatores, como o valor, a qualidade e o impacto (científico, mas também social e local) dos contributos e da acessibilidade dos resultados.

Classificação

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

El aburrimiento, por Josefa Ros

Josefa Ros, filósofa e investigadora en la Universidad Complutense de Madrid, nos desvela conocimientos relevantes sobre una experiencia que todo el mundo ha vivido: el aburrimiento.

¿Afectan el género, la experiencia y la carga de trabajo en las decisiones judiciales sobre violencia de género?

¿Jueces y juezas son igual de proclives a conceder órdenes de alejamiento en casos de violencia de género? Según este estudio, el género por sí solo no es determinante, pero sí es un factor clave unido a la experiencia y al volumen de casos.

Social Research Call

Concursos Flash

El café del observatorio

Também pode ser do seu interesse

Porcentaje de personas que se sitúan por encima de sus padres o abuelos en la escala social

Porcentaje de personas que se sitúan por encima de sus padres o abuelos en la escala social


El 29 % de los españoles se sitúan socialmente por encima de sus padres y más del 40 % opinan que han ascendido en la escala social respecto a sus abuelos.

Número de generaciones necesarias para que los nacidos en familias de bajos ingresos puedan aproximarse al nivel medio de ingresos en su sociedad

Número de generaciones necesarias para que los nacidos en familias de bajos ingresos puedan aproximarse al nivel medio de ingresos en su sociedad


Según este indicador, en España son necesarias 4 generaciones para mejorar los ingresos de una familia con una economía precaria.

Tasa de fecundidad

Tasa de fecundidad


La tasa de fecundidad de las mujeres en España es de 1,23 hijos por mujer, el segundo país de la Unión Europea con la tasa más baja.