Boas Práticas

A plataforma Patient Innovation

A Patient Innovation é uma plataforma digital que liga doentes, cuidadores e outros agentes envolvidos no domínio dos cuidados de saúde, e que lhes permite partilhar soluções inovadoras por si criadas para melhorar a saúde e a qualidade de vida, aliviar os sintomas ou facilitar a vida diária dos utilizadores.

 

Dados básicos
 

1. Contexto

Nos últimos anos, está a alargar-se a tendência de promover a inovação aberta no setor da saúde através de projetos colaborativos. Estes projetos foram concebidos para facilitar o intercâmbio de ideias e experiências entre os diferentes atores, incluindo também os próprios utilizadores. Estas novas abordagens procuram resolver alguns dos problemas que tradicionalmente estão associados aos modelos de inovação no setor da saúde, que falham frequentemente na resposta às necessidades dos utilizadores, seja por falta de agilidade ou por problemas de enfoque. Dado que grande parte da inovação nasce em centros ou unidades afastadas da realidade assistencial, por vezes os seus objetivos não coincidem com as necessidades imediatas dos profissionais e dos doentes. Os projetos de inovação costumam ser dirigidos por investigadores destes centros, o que por vezes torna difícil que sejam consideradas as ideias e propostas de doentes, cuidadores ou profissionais de outros setores. As mudanças internacionais nos últimos anos e os novos modelos, como a inovação aberta, estão a quebrar esta tendência e a permitir novas estratégias que integram, também, outras vozes.

2. Debate

A Patient Innovation é uma plataforma digital, multilingue e aberta, sem fins lucrativos, que permite aos seus utilizadores partilharem o que aprenderam, e as soluções inovadoras a que chegaram no seu dia a dia. O projeto é o resultado dos trabalhos de investigação de uma equipa multidisciplinar liderada por Pedro Oliveira. 
A referida investigação, iniciada em 2011, pretendia recolher provas sobre a atividade de inovação de doentes e cuidadores. Os resultados mostraram que tanto os doentes como os cuidadores contribuíam com capacidades inovadoras significativas e com toda uma gama de soluções para diferentes questões que enfrentavam diariamente. Algumas destas soluções permitiam melhorar a saúde do doente ou aliviar os sintomas, ao passo que outras facilitavam a sua vida diária. Centenas de milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de doenças semelhantes, pelo que os doentes e os respetivos cuidadores podem constituir uma grande fonte de inovação para muitas pessoas que vivem situações parecidas. Os resultados alcançados sugeriam que uma melhor difusão das soluções encontradas pelos doentes e respetivos cuidadores poderia ser uma grande ajuda para muitas outras pessoas. Ficava patente que existia a necessidade de criar uma plataforma online que possibilitasse a difusão destas soluções. Assim nasceu a ideia da Patient Innovation.
A plataforma foi criada no ano de 2014, e inicialmente foi concebida como um repositório de inovações médicas desenvolvidas pelos doentes, pelos seus cuidadores e por outros agentes que intervinham nesses cuidados. Desde então, converteu-se numa rede global de doentes, familiares, cuidadores, pessoal médico e colaboradores de todo o mundo. Até ao momento, foram submetidas mais de 4500 soluções inovadoras (estratégias, tratamentos, dispositivos, aplicações móveis, etc.). Uma equipa médica estuda todas estas iniciativas, sendo que aproximadamente metade foram aprovadas e figuram no portal. A comunidade de utilizadores da plataforma ultrapassa já as 250 000 pessoas. Como complemento à plataforma, foi recentemente desenvolvido um programa de mentoria e formação destinado a doentes e familiares, através do qual é oferecida ajuda e aconselhamento sobre a forma de colocar no mercado os seus produtos ou serviços.

3. Conclusões

Experiências de êxito como a da Patient Innovation confirmam que o futuro da inovação em saúde passa por conceder um maior protagonismo aos utilizadores e doentes, e em capacitá-los na procura de soluções.

Classificação

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

El aburrimiento, por Josefa Ros

Josefa Ros, filósofa e investigadora en la Universidad Complutense de Madrid, nos desvela conocimientos relevantes sobre una experiencia que todo el mundo ha vivido: el aburrimiento.

¿Afectan el género, la experiencia y la carga de trabajo en las decisiones judiciales sobre violencia de género?

¿Jueces y juezas son igual de proclives a conceder órdenes de alejamiento en casos de violencia de género? Según este estudio, el género por sí solo no es determinante, pero sí es un factor clave unido a la experiencia y al volumen de casos.

Social Research Call

Concursos Flash

El café del observatorio

Também pode ser do seu interesse

Porcentaje de personas que se sitúan por encima de sus padres o abuelos en la escala social

Porcentaje de personas que se sitúan por encima de sus padres o abuelos en la escala social


El 29 % de los españoles se sitúan socialmente por encima de sus padres y más del 40 % opinan que han ascendido en la escala social respecto a sus abuelos.

Número de generaciones necesarias para que los nacidos en familias de bajos ingresos puedan aproximarse al nivel medio de ingresos en su sociedad

Número de generaciones necesarias para que los nacidos en familias de bajos ingresos puedan aproximarse al nivel medio de ingresos en su sociedad


Según este indicador, en España son necesarias 4 generaciones para mejorar los ingresos de una familia con una economía precaria.

Tasa de fecundidad

Tasa de fecundidad


La tasa de fecundidad de las mujeres en España es de 1,23 hijos por mujer, el segundo país de la Unión Europea con la tasa más baja.