Publicador de Conteúdo

Artigo

Pandemia de Covid-19 e educação em creche em Portugal: medidas de prevenção e controlo, práticas pedagógicas e bem-estar

Sara Barros Araújo, Sílvia Barros, Ana Silva, Centro de Investigação e Inovação em Educação, Instituto Politécnico do Porto; Rafaela Rosário, Escola Superior de Enfermagem, Universidade do Minho; Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem (UICISA: E), Escola Superior de Enfermagem de Coimbra;
Concurso para apoiar projetos de investigação sobre o impacto social da Covid-19 (LL20-3)

A presente investigação aborda a implementação de medidas de prevenção e controlo da Covid-19 (doravante designadas por “MPC”), práticas pedagógicas, bem-estar das crianças e dos/as profissionais, e literacia em saúde digital nos centros de educação e cuidados para crianças dos 0 aos 3 anos (creches) em Portugal. 853 educadores/as de infância de todos os distritos portugueses completaram um inquérito on-line durante os meses de janeiro e fevereiro de 2021. Os resultados sugerem que as MPC foram amplamente implementadas. Os/as educadores/as que relataram a implementação mais frequente das MPC foram mais propensos/as a afirmar terem reforçado as suas práticas pedagógicas e tenderam a relatar níveis mais elevados de bem-estar de crianças e adultos. Os/as educadores/as que afirmaram ter uma literacia em saúde digital adequada foram mais propensos/as a relatar uma implementação mais frequente das MPC.
observatoriosocial.puntos.clave
  • 1
       As medidas de prevenção e controlo da Covid-19 foram amplamente implementadas em centros de educação e cuidados para crianças dos 0 aos 3 anos. A maior parte dos/as educadores/as de infância relatou que utilizavam sempre equipamento de proteção individual (96%), que as crianças que frequentavam as suas salas utilizavam brinquedos/materiais exclusivamente fornecidos pelos próprios centros (83%), e que o seu centro restringia o acesso dos pais (81%).
  • 2
       Os/as educadores/as de infância que relataram a implementação mais frequente das MPC foram mais propensos/as a afirmar que tinham reforçado as suas práticas pedagógicas no que se referia à interação adulto-criança, clima emocional e interação com as famílias, durante a pandemia.
  • 3
       Os/as educadores/as de infância relataram indicadores positivos de bem-estar das crianças nas suas salas. Os/as educadores/as que afirmaram ter reforçado as suas práticas pedagógicas (interação adulto-criança e clima emocional) tenderam a perceber níveis mais elevados de bem-estar das crianças. Contudo, 29% dos/as educadores/as consideraram que a pandemia poderá ter contribuído para uma diminuição do bem-estar das crianças na creche.
  • 4
       Os/as educadores/as que relataram a implementação de MPC com mais frequência foram mais propensos/as a afirmar níveis positivos de bem-estar subjetivo. Apesar disto, quase 14% dos/as educadores/as relataram um nível baixo de bem-estar.
  • 5
       Os/as educadores/as de infância com uma literacia em saúde digital adequada relataram implementar MPC com mais frequência.

A utilização de equipamento de proteção individual foi a medida de proteção e controlo mais reportada (96% dos/as educadores/as reportaram implementar “sempre” esta medida). Foram também relatadas como frequentemente implementadas outras MPC emitidas para aplicação nas creches pelo Ministério da Saúde, nomeadamente o distanciamento social, a desinfeção de superfícies e a ventilação. A redução do número de crianças por sala foi a MPC menos relatada (nunca implementada em 57% dos casos).

Classificação

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Artigo

Competências digitais e igualdade de género: perceções dos professores do 1.º ciclo do ensino básico

A digitalização da educação permitiu realizar um conjunto diversificado de práticas pedagógicas. Quase todos os profesores de ensino primario afirmam não encontrar diferenças entre os usos que os meninos e as meninas fazem do digital, o que faz com que também não ajam de modo a promover diferenciadamente as competências digitais entre as meninas.

Artigo

Ensino e aprendizagem à distância em Portugal durante a pandemia de Covid-19: diferenças entre escolas públicas e escolas privadas

Em Portugal, a pandemia de Covid-19 levou ao encerramento temporário das escolas e a uma implementação generalizada do ensino à distância. O presente estudo utiliza dados recolhidos através de um inquérito feito a professores entre os meses de março de 2020 e janeiro de 2021, em três rondas de questionários.

Artigo

Perceção dos professores, profissionais de saúde e idosos portugueses relativamente à vacinação contra a Covid-19

O objetivo deste estudo é identificar e avaliar as principais perceções, atitudes e conhecimentos em relação à vacinação contra a Covid-19 de três grupos de risco: professores, profissionais de saúde e idosos.

Também pode ser do seu interesse

Concurso Flash para apoiar projetos de investigação sobre o impacto social das vidas longevas (FS24-1B)

Concurso

Concurso Flash para apoiar projetos de investigação sobre o impacto social das vidas longevas (FS24-1B)


Inclusão Social

O Observatório Social da Fundação ”la Caixa” anuncia a abertura de um concurso para apoiar projetos de investigação no domínio das Ciências Sociais que estudem o impacto social das vidas longevas, em Portugal, através de um inquérito quantitativo.

Por que não oferecemos a mesma ajuda a todas as vítimas de ‘cyberbullying’?

Artigo

Por que não oferecemos a mesma ajuda a todas as vítimas de ‘cyberbullying’?


Inclusão Social

Este artigo destaca que tanto o bullying tradicional como o cyberbullying têm uma audiência. As pessoas observadoras podem influenciar o comportamento, seja encorajando ou parando a agressão.

«BlindGame»: As atividades de jogo de azar ‘on-line’ dos jovens portugueses

Artigo

«BlindGame»: As atividades de jogo de azar ‘on-line’ dos jovens portugueses


Inclusão Social

Um estudo realizado com 2.028 jovens entre 15 e 34 anos em Portugal revelou uma prevalência significativa de comportamentos de jogo a dinheiro online, com diferenças de género e idade. Os resultados indicam preocupações para pais, educadores e autoridades públicas devido à crescente adesão a essa forma de entretenimento.