Quem é afetado pela solidão e pelo isolamento social?

Javier Yanguas, Amaya Cilvetti e Cristina Segura, Programa Sénior da Fundação ”la Caixa”

Tanto a dimensão subjetiva da solidão (sentir-se só) como a exclusão das relações sociais (isolamento social) são circunstâncias que afetam muitos adultos e sobretudo os homens com mais de 65 anos. A prevenção e a intervenção são fatores essenciais para reduzir a presença destes fatores e evitar consequências negativas que vão além da esfera psicológica e têm também implicações sociais e de saúde pública.
Pontos-chave
  • 1
       O lado mais visível da solidão é a sensação de que não há pessoas a quem recorrer ou em quem confiar em caso de necessidade.
  • 2
       O isolamento do círculo de amizades é maior do que no caso da rede familiar. Por outras palavras, a família está mais presente do que as amizades e protege mais do risco de isolamento social ao longo da vida.
  • 3
       Tanto os sentimentos de solidão como o risco de isolamento social aumentam com a idade e são mais comuns nos homens e nas pessoas com níveis de educação mais baixos.

 

A solidão é um grande problema social e de saúde pública. Para além de afetar o bem-estar psicológico das pessoas, a sua presença está associada a níveis de saúde mais pobres e ao aumento do risco de mortalidade.

Analisar a solidão não é fácil porque se trata de um fenómeno complexo. Antes do mais, é preciso distinguir entre a perceção da solidão (sentir-se só) e a falta objetiva de contactos sociais (isolamento social). A perceção da solidão pode também referir-se à falta da companhia de outras pessoas (solidão social) ou a não ter pessoas em quem confiar e a quem recorrer em caso de necessidade (solidão emocional), bem como o isolamento social pode referir-se à rede de amigos ou a rede familiar.

Considerando as diferenças acima, um estudo realizado pela Fundação ”la Caixa” mostra que tanto a perceção da solidão (na sua dimensão emocional) como o risco de isolamento social (a falta de amigos) afetam um em cada quatro adultos no nosso país (Figura 1). Se combinarmos ambos os aspetos, vemos que 43,6% dos participantes no estudo estavam em risco de isolamento social ou sentiam-se sozinhos.

A solidão não afeta todos os estratos da população por igual. Tanto os sentimentos de solidão como de isolamento social aumentam com a idade, sobretudo entre os reformados mais velhos e tendem a ser mais frequentes nos homens do que nas mulheres. São também mais prevalecentes entre as pessoas com níveis de educação mais baixos.

Classificação

Autores

Javier Yanguas, Amaya Cilvetti e Cristina Segura , Programa Sénior da Fundação ”la Caixa”

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Artigo

O desemprego prejudica a saúde mental?

Stresse, depressão, insónia, tensão, sensação de inutilidade... Este artigo analisa como a saúde mental dos trabalhadores foi afetada pela crise económica e o desemprego de longa duração.

Também pode ser do seu interesse

Artigo

Estudo experimental sobre o enviesamento atencional nos cuidados médicos durante a pandemia de Covid-19

Estudo experimental sobre o enviesamento atencional nos cuidados médicos durante a pandemia de Covid-19

Inclusão Social

Em diversos países, a incidência, prevalência e taxas de mortalidade do vírus da Covid-19 afetaram desproporcionalmente pessoas não brancas, mas até ao momento não se dispõem de dados publicados que permitam explicar este fenómeno. Será que as admissão em unidades de cuidados intensivos (UCI) são proporcionais entre os brancos e os negros?

Artigo

Perceção dos professores, profissionais de saúde e idosos portugueses relativamente à vacinação contra a Covid-19

Perceção dos professores, profissionais de saúde e idosos portugueses relativamente à vacinação contra a Covid-19

Inclusão Social

O objetivo deste estudo é identificar e avaliar as principais perceções, atitudes e conhecimentos em relação à vacinação contra a Covid-19 de três grupos de risco: professores, profissionais de saúde e idosos.

Artigo

Pandemia de Covid-19 e educação em creche em Portugal: medidas de prevenção e controlo, práticas pedagógicas e bem-estar

Pandemia de Covid-19 e educação em creche em Portugal: medidas de prevenção e controlo, práticas pedagógicas e bem-estar

Inclusão Social

Esta investigação aborda a implementação de medidas de prevenção e controlo da Covid-19, práticas pedagógicas, bem-estar de crianças e profissionais e literacia em saúde digital nos serviços de educação precoce para crianças dos 0-3 anos em Portugal.