Portugal, Balanço Social 2021 - Um retrato do país e da pandemia

A pandemia e o mercado de trabalho: o que sabemos um ano depois

Bruno P. Carvalho, Universidade Carlos III de Madrid, Departamento de Economia, e ECARES (ULB)
Mariana Esteves, Nova School of Business and Economics
Susana Peralta, Nova School of Business and Economics
Relatório financiado pela Social Equity Initiative

“Portugal, Balanço Social” é um relatório anual que analisa a pobreza e exclusão social em Portugal. O relatório deste ano utiliza o Inquérito às Condições de Vida e Rendimento (ICOR), elaborado no início de 2020, ou seja, contém informações relativas aos rendimentos e condições de trabalho em 2019, antes da pandemia de covid-19, tendo sido complementado com dados provisórios da vaga de 2021 divulgados pelo INE. Inclui uma secção dedicada a crianças e adolescentes e outra a idosos, dois grupos que são especialmente vulneráveis à pobreza e exclusão social. Neste relatório também foram utilizadas várias fontes de dados para analisar o impacto da crise pandémica na saúde, educação e mercado de trabalho.
Pontos-chave
  • 1
       A taxa de pobreza após transferências sociais foi de 16,2% em 2019; dados provisórios do INE indicam que aumentou para 18,4% em 2020.
  • 2
       A taxa de privação material em 2020 foi de 13,5% (1,6 pontos percentuais mais baixa que em 2019).
  • 3
       Em 2019, o Norte do país tornou-se a região do continente com a maior taxa de risco de pobreza (18,1%) e a maior taxa de privação material (6,7%).
  • 4
       O encerramento de escolas levou a uma perda de competências em comparação com 2019 e 2018. Os resultados são mais severos entre os alunos de meios socioeconómicos mais desfavorecidos.
  • 5
       As mulheres com filhos trabalharam, em média, menos 1,2 horas por semana entre o primeiro trimestre de 2019 e o primeiro trimestre de 2021.

Depois de um relativo agravamento nos anos da crise das dívidas soberanas (2011 e 2014), a generalidade dos indicadores conheceu uma melhoria. Entretanto, em 2018, Portugal ainda estava acima da média da União Europeia (UE) no que diz respeito à taxa de risco de pobreza ou exclusão social, taxa de risco de pobreza e taxa de privação material. Só em 2019 Portugal teve um desempenho melhor que a média da UE para estes indicadores. É de salientar a taxa de risco de pobreza que, em 2019, ficou abaixo da média da UE em 0,9 pontos percentuais (16,2% vs. 17,1%). A indisponibilidade de dados não permite analisar se esta melhoria relativa se manteve em 2020, apesar do aumento da taxa de pobreza para 18,4%. Outro ingrediente da taxa de risco de pobreza ou exclusão social é a percentagem de agregados familiares com baixa intensidade de trabalho, que atingiu 5,2% em 2020, contra os 5,1% de 2019.

Classificação

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Artigo

Os imigrantes são mais ambiciosos do que os seus compatriotas que não emigram?

A emigração envolve sempre uma dose de ambição? Analisámos se existe uma maior orientação para o sucesso, para o risco e para o dinheiro nos imigrantes em comparação com quem não emigrou

Artigo

A evolução da economia e a rejeição da imigração na Europa

Por detrás da rejeição do outro e da xenofobia encontram-se fatores económicos específicos, tais como a evolução macroeconómica do país, a vulnerabilidade económica individual e a exposição dos trabalhadores à concorrência no trabalho.

Artigo

Participar ou ganhar? Mulheres, homens e competitividade

As mulheres não são tão boas para competir? Este artigo mostra a existência de fatores culturais que podem explicar parte da discriminação que as mulheres sofrem no mercado de trabalho.

Artigo

O desemprego prejudica a saúde mental?

Stresse, depressão, insónia, tensão, sensação de inutilidade... Este artigo analisa como a saúde mental dos trabalhadores foi afetada pela crise económica e o desemprego de longa duração.

Artigo

As mães são penalizadas no que diz respeito às promoções no emprego?

O facto de ser mãe é uma desvantagem quando se trata de conseguir uma promoção no emprego? Este estudo mostra que não é, sempre que não se pretenda a flexibilidade de horários, a redução da jornada de trabalho ou a realização das funções através do teletrabalho.

Também pode ser do seu interesse

Artigo

Como é que as medidas de prevenção de covid-19 afetaram os profissionais das estruturas residenciais para pessoas idosas?

Como é que as medidas de prevenção de covid-19 afetaram os profissionais das estruturas residenciais para pessoas idosas?

Inclusão Social

O impacto da pandemia de covid-19 nas estruturas residenciais para pessoas idosas (ERPI) foi investigado, mas sabe-se menos acerca do seu impacto nos profissionais de saúde.

Artigo

A Saúde e o bem-estar dos portugueses: impactos da covid-19

A Saúde e o bem-estar dos portugueses: impactos da covid-19

Inclusão Social

O presente estudo forneceu dados sobre o impacto da covid-19 na saúde e bem-estar dos portugueses. Os resultados revelam que os inquiridos relataram que a sua saúde estava pior do que antes da pandemia e que o seu acesso aos cuidados de saúde foi bastante afetado, tendo tido cirurgias ou consultas médicas canceladas ou adiadas.

Artigo

A pandemia e o mercado de trabalho: o que sabemos um ano depois

A pandemia e o mercado de trabalho: o que sabemos um ano depois

Inclusão Social

Após mais de um ano de pandemia, o emprego e o número de horas trabalhadas continuam abaixo dos níveis pré-pandemia. O presente estudo utiliza dados secundários do Inquérito às Forças de Trabalho, conduzido pelo INE, e dados de registos nos serviços públicos de emprego (Instituto do Emprego e Formação Profissional).