Participar ou ganhar? Mulheres, homens e competitividade

Pedro Rey Biel, investigador Ramón y Cajal na ESADE-Universitat Ramon Llull
Nagore Iriberri, Ikerbasque research professor na Universidade do País Basco

Os homens ainda têm salários mais elevados, ocupam mais cargos de gestão do que as mulheres e sofrem taxas de desemprego mais baixas. Porque é que as mulheres não chegam tão longe quanto os homens na esfera profissional? O impacto diferencial das decisões relativas à maternidade e a paternidade na vida profissional das mulheres e dos homens tem sido frequentemente objeto de análise e discussão. No entanto, existem certos aspetos culturais e de socialização que afetam homens e mulheres de forma diferente quando estes competem entre si, sendo que tais aspetos acabam por ter um impacto em ambientes competitivos como é o próprio ambiente de trabalho.
Pontos-chave
  • 1
       Em termos gerais, a mera existência de um estereótipo negativo sobre um grupo faz com que os indivíduos desse grupo acabem por se sentir submetidos a um exame contínuo que os pressiona e levo-os a ter um desempenho pior, confirmando assim o estereótipo.
  • 2
       Fatores como os estereótipos de género, o tipo de tarefas em que competem, quem são os seus concorrentes ou a informação sobre o seu desempenho anterior nessa tarefa têm um notável efeito sobre a desvantagem das mulheres quando elas competem, o que, por sua vez, pode ter um impacto na sua situação no mercado de trabalho.
  • 3
       Em condições competitivas, estudadas em condições laboratoriais, as diferenças significativas de género no desempenho de tarefas só podem ser observadas em três situações: 1) quando existe um poderoso estereótipo de que as mulheres são piores para realizar uma determinada tarefa; 2) quando o estereótipo é reforçado fazendo os participantes se lembrarem de aspetos que evocam as diferenças de género; e 3) quando as mulheres mais negativamente afetadas são aquelas que acreditam que o estereótipo é verdadeiro.
Raparigas e rapazes no Concurso de Matemática da Primavera. Distribuição por género dos participantes nas diferentes fases eliminatórias do Concurso de Matemática da Primavera (por grupos etários).
Raparigas e rapazes no Concurso de Matemática da Primavera. Distribuição por género dos participantes nas diferentes fases eliminatórias do Concurso de Matemática da Primavera (por grupos etários).

O Concurso de Matemática da Primavera promovido pela região autónoma de Madrid é um caso da vida real que ilustra o preconceito de género nos processos competitivos e permite estudá-lo claramente. Trata-se de um concurso de matemática faseado com a participação de alunos do ensino secundário.

Dividindo os participantes em quatro grupos etários, observa-se que quase não existem mulheres que chegam à fase final até ao ponto que, para os estudantes mais velhos (16-17 anos de idade), não há nenhuma rapariga vencedora no concurso.

Cabe salientar que, para este concurso, são disponibilizadas as notas de matemática de todos os participantes e que, por delas, não se observa praticamente nenhuma diferença entre rapazes e raparigas. Assim sendo, o experimento mostra que o que está em jogo não é propriamente uma questão de conhecimento, mas sim de competitividade. Portanto, à medida que a pressão competitiva é maior, as diferenças de género nos resultados aumentam.

Classificação

Autores

Pedro Rey Biel , investigador Ramón y Cajal na ESADE-Universitat Ramon Llull
Nagore Iriberri , Ikerbasque research professor na Universidade do País Basco

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Artigo

As mulheres têm menos oportunidades de serem contratadas?

Uma experiência sobre a discriminação de género mostrou que as mulheres têm 30% menos probabilidades de serem chamadas para uma entrevista de emprego do que os homens com as mesmas características.

Artigo

As tarefas domésticas e o cuidado dos filhos durante o confinamento, uma responsabilidade assumida principalmente pelas mulheres

Este estudo mostra que, durante o confinamento, as mulheres continuaram a assumir as tarefas domésticas e o cuidado dos filhos a um nível consideravelmente mais elevado, apesar de um ligeiro aumento na participação dos homens.

Também pode ser do seu interesse

Artigo

Estudo experimental sobre o enviesamento atencional nos cuidados médicos durante a pandemia de Covid-19

Estudo experimental sobre o enviesamento atencional nos cuidados médicos durante a pandemia de Covid-19

Inclusão Social

Em diversos países, a incidência, prevalência e taxas de mortalidade do vírus da Covid-19 afetaram desproporcionalmente pessoas não brancas, mas até ao momento não se dispõem de dados publicados que permitam explicar este fenómeno. Será que as admissão em unidades de cuidados intensivos (UCI) são proporcionais entre os brancos e os negros?

Artigo

Perceção dos professores, profissionais de saúde e idosos portugueses relativamente à vacinação contra a Covid-19

Perceção dos professores, profissionais de saúde e idosos portugueses relativamente à vacinação contra a Covid-19

Inclusão Social

O objetivo deste estudo é identificar e avaliar as principais perceções, atitudes e conhecimentos em relação à vacinação contra a Covid-19 de três grupos de risco: professores, profissionais de saúde e idosos.

Artigo

Pandemia de Covid-19 e educação em creche em Portugal: medidas de prevenção e controlo, práticas pedagógicas e bem-estar

Pandemia de Covid-19 e educação em creche em Portugal: medidas de prevenção e controlo, práticas pedagógicas e bem-estar

Inclusão Social

Esta investigação aborda a implementação de medidas de prevenção e controlo da Covid-19, práticas pedagógicas, bem-estar de crianças e profissionais e literacia em saúde digital nos serviços de educação precoce para crianças dos 0-3 anos em Portugal.