O impacto assimétrico da crise da covid-19 no mercado de trabalho europeu

Cesira Urzi Brancati, Songül Tolan, Enrique Fernández-Macías, Ignacio González Vázquez, Marta Fana e Sergio Torrejón Pérez, Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia

O impacto económico da crise do coronavírus é claramente desigual. As medidas de confinamento e restrições de atividade impostas na maioria dos países da UE afetam mais o emprego em certos países mediterrânicos, enquanto, a nível nacional e de uma forma generalizada, atingem mais os trabalhadores mais vulneráveis.
Pontos-chave
  • 1
       O impacto da crise da covid-19 no mercado de trabalho é mais notável em certos países mediterrânicos que apresentam uma maior proporção de empregos nos setores cuja atividade tem sido mais negativamente afetada pelas medidas de confinamento (serviços de hotelaria e restaurantes, setor do lazer e cuidados pessoais).
  • 2
       A crise tem ampliado em grande escala a prática do teletrabalho a praticamente todos os empregos e setores que o permitem. Infelizmente, alguns dos países mais afetados pela crise (incluindo Espanha e Itália) tinham, antes da crise, uma prevalência comparativamente baixa do teletrabalho.
  • 3
       O impacto da crise parece ter-se concentrado em alguns dos grupos mais vulneráveis no mercado de trabalho: trabalhadores com salários baixos e empregos precários, bem como mulheres e jovens trabalhadores.
Espanha, entre os países com uma maior percentagem de empregos destruídos pela crise da covid-19
Espanha, entre os países com uma maior percentagem de empregos destruídos pela crise da covid-19

A Espanha e a Itália estão entre os países mais afetados pela crise da covid-19. Isto porque ambos os países têm uma maior proporção de empregos em setores que foram forçados a fechar a sua atividade devido às medidas de confinamento: atividades de lazer e bem-estar, turismo, cuidados pessoais, etc. Estes setores representam até 14,2% do emprego total em Espanha, em comparação com uma média de 9,88% na União Europeia e no Reino Unido. Em contraste, os Estados-membros do centro e do norte da UE têm uma maior proporção de setores que permanecem ativos apesar da crise, porque são essenciais ou permitem o teletrabalho, pelo que o impacto do confinamento no emprego é menor.

Classificação

Autores

Cesira Urzi Brancati, Songül Tolan, Enrique Fernández-Macías, Ignacio González Vázquez, Marta Fana e Sergio Torrejón Pérez , Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Artigo

Os imigrantes são mais ambiciosos do que os seus compatriotas que não emigram?

A emigração envolve sempre uma dose de ambição? Analisámos se existe uma maior orientação para o sucesso, para o risco e para o dinheiro nos imigrantes em comparação com quem não emigrou

Artigo

A evolução da economia e a rejeição da imigração na Europa

Por detrás da rejeição do outro e da xenofobia encontram-se fatores económicos específicos, tais como a evolução macroeconómica do país, a vulnerabilidade económica individual e a exposição dos trabalhadores à concorrência no trabalho.

Artigo

Participar ou ganhar? Mulheres, homens e competitividade

As mulheres não são tão boas para competir? Este artigo mostra a existência de fatores culturais que podem explicar parte da discriminação que as mulheres sofrem no mercado de trabalho.

Artigo

O desemprego prejudica a saúde mental?

Stresse, depressão, insónia, tensão, sensação de inutilidade... Este artigo analisa como a saúde mental dos trabalhadores foi afetada pela crise económica e o desemprego de longa duração.

Artigo

As mães são penalizadas no que diz respeito às promoções no emprego?

O facto de ser mãe é uma desvantagem quando se trata de conseguir uma promoção no emprego? Este estudo mostra que não é, sempre que não se pretenda a flexibilidade de horários, a redução da jornada de trabalho ou a realização das funções através do teletrabalho.

Também pode ser do seu interesse

Artigo

Estudo experimental sobre o enviesamento atencional nos cuidados médicos durante a pandemia de Covid-19

Estudo experimental sobre o enviesamento atencional nos cuidados médicos durante a pandemia de Covid-19

Inclusão Social

Em diversos países, a incidência, prevalência e taxas de mortalidade do vírus da Covid-19 afetaram desproporcionalmente pessoas não brancas, mas até ao momento não se dispõem de dados publicados que permitam explicar este fenómeno. Será que as admissão em unidades de cuidados intensivos (UCI) são proporcionais entre os brancos e os negros?

Artigo

Perceção dos professores, profissionais de saúde e idosos portugueses relativamente à vacinação contra a Covid-19

Perceção dos professores, profissionais de saúde e idosos portugueses relativamente à vacinação contra a Covid-19

Inclusão Social

O objetivo deste estudo é identificar e avaliar as principais perceções, atitudes e conhecimentos em relação à vacinação contra a Covid-19 de três grupos de risco: professores, profissionais de saúde e idosos.

Artigo

Pandemia de Covid-19 e educação em creche em Portugal: medidas de prevenção e controlo, práticas pedagógicas e bem-estar

Pandemia de Covid-19 e educação em creche em Portugal: medidas de prevenção e controlo, práticas pedagógicas e bem-estar

Inclusão Social

Esta investigação aborda a implementação de medidas de prevenção e controlo da Covid-19, práticas pedagógicas, bem-estar de crianças e profissionais e literacia em saúde digital nos serviços de educação precoce para crianças dos 0-3 anos em Portugal.