Artigo

O impacto assimétrico da crise da covid-19 no mercado de trabalho europeu

Cesira Urzi Brancati, Songül Tolan, Enrique Fernández-Macías, Ignacio González Vázquez, Marta Fana e Sergio Torrejón Pérez, Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia

O impacto económico da crise do coronavírus é claramente desigual. As medidas de confinamento e restrições de atividade impostas na maioria dos países da UE afetam mais o emprego em certos países mediterrânicos, enquanto, a nível nacional e de uma forma generalizada, atingem mais os trabalhadores mais vulneráveis.
Pontos-chave
  • 1
       O impacto da crise da covid-19 no mercado de trabalho é mais notável em certos países mediterrânicos que apresentam uma maior proporção de empregos nos setores cuja atividade tem sido mais negativamente afetada pelas medidas de confinamento (serviços de hotelaria e restaurantes, setor do lazer e cuidados pessoais).
  • 2
       A crise tem ampliado em grande escala a prática do teletrabalho a praticamente todos os empregos e setores que o permitem. Infelizmente, alguns dos países mais afetados pela crise (incluindo Espanha e Itália) tinham, antes da crise, uma prevalência comparativamente baixa do teletrabalho.
  • 3
       O impacto da crise parece ter-se concentrado em alguns dos grupos mais vulneráveis no mercado de trabalho: trabalhadores com salários baixos e empregos precários, bem como mulheres e jovens trabalhadores.
Espanha, entre os países com uma maior percentagem de empregos destruídos pela crise da covid-19
Espanha, entre os países com uma maior percentagem de empregos destruídos pela crise da covid-19

A Espanha e a Itália estão entre os países mais afetados pela crise da covid-19. Isto porque ambos os países têm uma maior proporção de empregos em setores que foram forçados a fechar a sua atividade devido às medidas de confinamento: atividades de lazer e bem-estar, turismo, cuidados pessoais, etc. Estes setores representam até 14,2% do emprego total em Espanha, em comparação com uma média de 9,88% na União Europeia e no Reino Unido. Em contraste, os Estados-membros do centro e do norte da UE têm uma maior proporção de setores que permanecem ativos apesar da crise, porque são essenciais ou permitem o teletrabalho, pelo que o impacto do confinamento no emprego é menor.

Classificação

Autores

Cesira Urzi Brancati, Songül Tolan, Enrique Fernández-Macías, Ignacio González Vázquez, Marta Fana e Sergio Torrejón Pérez , Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Artigo

Os imigrantes são mais ambiciosos do que os seus compatriotas que não emigram?

A emigração envolve sempre uma dose de ambição? Analisámos se existe uma maior orientação para o sucesso, para o risco e para o dinheiro nos imigrantes em comparação com quem não emigrou

Artigo

A evolução da economia e a rejeição da imigração na Europa

Por detrás da rejeição do outro e da xenofobia encontram-se fatores económicos específicos, tais como a evolução macroeconómica do país, a vulnerabilidade económica individual e a exposição dos trabalhadores à concorrência no trabalho.

Artigo

Participar ou ganhar? Mulheres, homens e competitividade

As mulheres não são tão boas para competir? Este artigo mostra a existência de fatores culturais que podem explicar parte da discriminação que as mulheres sofrem no mercado de trabalho.

Artigo

O desemprego prejudica a saúde mental?

Stresse, depressão, insónia, tensão, sensação de inutilidade... Este artigo analisa como a saúde mental dos trabalhadores foi afetada pela crise económica e o desemprego de longa duração.

Artigo

As mães são penalizadas no que diz respeito às promoções no emprego?

O facto de ser mãe é uma desvantagem quando se trata de conseguir uma promoção no emprego? Este estudo mostra que não é, sempre que não se pretenda a flexibilidade de horários, a redução da jornada de trabalho ou a realização das funções através do teletrabalho.

Também pode ser do seu interesse

Portugal, Balanço Social 2021 - Um retrato do país e da pandemia

Artigo

Portugal, Balanço Social 2021 - Um retrato do país e da pandemia


Inclusão Social

“Portugal, Balanço Social” é um relatório anual que analisa a pobreza e exclusão social em Portugal.

Como é que as medidas de prevenção de covid-19 afetaram os profissionais das estruturas residenciais para pessoas idosas?

Artigo

Como é que as medidas de prevenção de covid-19 afetaram os profissionais das estruturas residenciais para pessoas idosas?


Inclusão Social

O impacto da pandemia de covid-19 nas estruturas residenciais para pessoas idosas (ERPI) foi investigado, mas sabe-se menos acerca do seu impacto nos profissionais de saúde.

A pandemia e o mercado de trabalho: o que sabemos um ano depois

Artigo

A pandemia e o mercado de trabalho: o que sabemos um ano depois


Inclusão Social

Após mais de um ano de pandemia, o emprego e o número de horas trabalhadas continuam abaixo dos níveis pré-pandemia. O presente estudo utiliza dados secundários do Inquérito às Forças de Trabalho, conduzido pelo INE, e dados de registos nos serviços públicos de emprego (Instituto do Emprego e Formação Profissional).