Estão a desaparecer os empregos de nível médio? O mito da polarização do trabalho na Europa

Daniel Oesch, Universidade de Lausana, Suíça
Giorgio Piccitto, Universidade Bocconi de Milão, Itália

Não há provas evidentes de polarização do trabalho na Europa. Ao contrário dos Estados Unidos, na Alemanha, Reino Unido, Espanha e Suécia os empregos considerados “bons”, ou seja, com salários acima da média, elevados requisitos educacionais e prestígio social, têm aumentado e os considerados “maus” têm reduzido.
Pontos-chave
  • 1
       No conjunto dos países europeus considerados, o emprego nas profissões da mais alta qualidade cresceu cerca de 10 pontos percentuais desde o início dos anos 90, quando representava quase 20% do emprego total, até 2015, quando atingiu os 30%.
  • 2
       A mudança no emprego em Espanha tem sido ainda mais espetacular. Em apenas 25 anos, o emprego nas profissões de maior qualidade quase duplicou, crescendo 15 pontos percentuais quando são levados em conta os salários, o nível de formação e o prestígio.
  • 3
       A investigação analisa a mudança na composição do emprego na Alemanha, Espanha, Suécia e Reino Unido, que exemplificam diferentes modelos de Estado de Bem-estar Social na Europa e agrupam a metade da população do continente.
Crescem os bons empregos e reduzem-se os maus
Crescem os bons empregos e reduzem-se os maus

Em apenas 25 anos, o emprego nas profissões de maior qualidade em Espanha praticamente dobrou, crescendo 15 pontos percentuais, quando são levados em conta os salários, o nível de formação ou o prestígio. Contudo, embora o padrão se repita (os empregos bons e médios crescem mais e os maus reduzem-se), a referida mudança é menos pronunciada quando o nível de satisfação profissional é analisado individualmente. Isto é compreensível considerando que Espanha é um dos países europeus com os mais baixos níveis de satisfação profissional, mesmo entre os trabalhadores que ocupam empregos bem remunerados ou com elevado prestígio profissional.

A qualidade do emprego vai além do salário

Um “bom emprego” está frequentemente associado a um emprego “bem pago”. No entanto, a qualidade do emprego é um fenómeno multidimensional que dificilmente pode ser reduzida só aos salários. Por isso, pretendemos fazer aqui uma abordagem mais ampla com quatro indicadores de qualidade do trabalho:

  1. O rendimento médio do emprego.
  2. O nível de formação.
  3. O prestígio profissional.
  4. A satisfação profissional dos trabalhadores.

Classificação

Autores

Daniel Oesch , Universidade de Lausana, Suíça
Giorgio Piccitto , Universidade Bocconi de Milão, Itália

Etiquetas

Temáticas

Também pode ser do seu interesse

Artigo

Como é que as medidas de prevenção de covid-19 afetaram os profissionais das estruturas residenciais para pessoas idosas?

Como é que as medidas de prevenção de covid-19 afetaram os profissionais das estruturas residenciais para pessoas idosas?

Inclusão Social

O impacto da pandemia de covid-19 nas estruturas residenciais para pessoas idosas (ERPI) foi investigado, mas sabe-se menos acerca do seu impacto nos profissionais de saúde.

Artigo

A pandemia e o mercado de trabalho: o que sabemos um ano depois

A pandemia e o mercado de trabalho: o que sabemos um ano depois

Inclusão Social

Após mais de um ano de pandemia, o emprego e o número de horas trabalhadas continuam abaixo dos níveis pré-pandemia. O presente estudo utiliza dados secundários do Inquérito às Forças de Trabalho, conduzido pelo INE, e dados de registos nos serviços públicos de emprego (Instituto do Emprego e Formação Profissional).

Artigo

Saúde mental depois da infeção por Covid-19

Saúde mental depois da infeção por Covid-19

Inclusão Social

O presente estudo visa explorar as consequências sobre a saúde mental de 640 adultos Portugueses pertencentes a três grupos diferentes (sobreviventes da infeção por SARS-CoV-2, indivíduos que foram testados mas nunca com um resultado positivo, e indivíduos que nunca foram testados).