As mulheres têm menos oportunidades de serem contratadas?

Clara Cortina, M. José González e Jorge Rodríguez, Universidade Pompeu Fabra

Uma experiência sobre a discriminação de género no mercado de trabalho mostrou que as mulheres com idades compreendidas entre os 37 e os 39 anos têm, em média, 30% menos probabilidades de serem chamadas para uma entrevista de emprego do que os homens com as mesmas características. A discriminação de género é maior para as candidatas do sexo feminino com filhos e tende a reduzir-se, mas não a desaparecer totalmente, quando elas estão mais qualificadas para ocupar o cargo.
Pontos-chave
  • 1
       Mais de 5.600 currículos fictícios foram enviados para 1.372 ofertas de emprego reais em Madrid e Barcelona e a probabilidade de ser chamado para uma entrevista de emprego foi comparada entre candidatos com CVs equivalentes, cujas únicas diferenças eram de género, se tinham ou não tinham filhos, e o grau de qualificação para ocupar o emprego.
  • 2
       Em pé de igualdade de condições, as mulheres foram em média 30% menos suscetíveis de serem chamadas para uma entrevista de emprego do que os homens com as mesmas características.
  • 3
       As diferenças de género no processo de recrutamento foram maiores quando os candidatos tinham filhos e reduziram-se, embora sem desaparecerem totalmente, quando os mesmos estavam mais qualificados para o trabalho.

Para compreender a extensão total dos efeitos do género, do número de filhos e da qualificação na probabilidade de ser chamado para uma entrevista de emprego, a seguinte figura mostra as taxas de resposta para diferentes subgrupos. As diferenças de género são mantidas em todos os casos, embora sejam muito menores no subgrupo de candidatos sem filhos e com um elevado nível de qualificação; neste subgrupo, e apesar da igualdade no CV de ambos os géneros, as mulheres têm uma probabilidade ligeiramente menor de serem chamadas para uma entrevista (12,4%) do que os homens (13,6%). De facto, neste subgrupo, as diferenças entre homens e mulheres são muito pequenas e não estatisticamente significativas.

Probabilidade de ser chamado para uma entrevista de emprego por género, número de filhos e qualificações profissionais.
Probabilidade de ser chamado para uma entrevista de emprego por género, número de filhos e qualificações profissionais.
Preconceitos ou estereótipos?

Quando os candidatos do sexo feminino são altamente qualificados para o cargo e não têm filhos, as diferenças em relação aos homens com as mesmas qualificações praticamente desaparecem. Isto permite concluir que a discriminação de género nos processos de recrutamento não se deve tanto a preconceitos negativos em relação às mulheres em geral, mas mais a estereótipos de género, de acordo com os quais as mulheres costumam ser vistas como menos comprometidas com o trabalho remunerado e mais orientadas para a família.

Classificação

Autores

Clara Cortina, M. José González e Jorge Rodríguez , Universidade Pompeu Fabra

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Artigo

Participar ou ganhar? Mulheres, homens e competitividade

As mulheres não são tão boas para competir? Este artigo mostra a existência de fatores culturais que podem explicar parte da discriminação que as mulheres sofrem no mercado de trabalho.

Artigo

As tarefas domésticas e o cuidado dos filhos durante o confinamento, uma responsabilidade assumida principalmente pelas mulheres

Este estudo mostra que, durante o confinamento, as mulheres continuaram a assumir as tarefas domésticas e o cuidado dos filhos a um nível consideravelmente mais elevado, apesar de um ligeiro aumento na participação dos homens.

Também pode ser do seu interesse

Artigo

Estudo experimental sobre o enviesamento atencional nos cuidados médicos durante a pandemia de Covid-19

Estudo experimental sobre o enviesamento atencional nos cuidados médicos durante a pandemia de Covid-19

Inclusão Social

Em diversos países, a incidência, prevalência e taxas de mortalidade do vírus da Covid-19 afetaram desproporcionalmente pessoas não brancas, mas até ao momento não se dispõem de dados publicados que permitam explicar este fenómeno. Será que as admissão em unidades de cuidados intensivos (UCI) são proporcionais entre os brancos e os negros?

Artigo

Perceção dos professores, profissionais de saúde e idosos portugueses relativamente à vacinação contra a Covid-19

Perceção dos professores, profissionais de saúde e idosos portugueses relativamente à vacinação contra a Covid-19

Inclusão Social

O objetivo deste estudo é identificar e avaliar as principais perceções, atitudes e conhecimentos em relação à vacinação contra a Covid-19 de três grupos de risco: professores, profissionais de saúde e idosos.

Artigo

Pandemia de Covid-19 e educação em creche em Portugal: medidas de prevenção e controlo, práticas pedagógicas e bem-estar

Pandemia de Covid-19 e educação em creche em Portugal: medidas de prevenção e controlo, práticas pedagógicas e bem-estar

Inclusão Social

Esta investigação aborda a implementação de medidas de prevenção e controlo da Covid-19, práticas pedagógicas, bem-estar de crianças e profissionais e literacia em saúde digital nos serviços de educação precoce para crianças dos 0-3 anos em Portugal.