As mães são penalizadas no que diz respeito às promoções no emprego?

Os custos ocultos da flexibilidade de trabalho

Irina Fernandez-Lozano, Juan-Ignacio Martínez-Pastor e Teresa Jurado-Guerrero, UNED
M. José González, UPF

As mulheres com filhos não são diretamente penalizadas nas promoções para cargos de responsabilidade. No entanto, os trabalhadores, quer sejam homens ou mulheres, que optam por tornar a sua jornada de trabalho mais flexível através de horários reduzidos ou do teletrabalho são sim penalizados no que diz respeito às promoções no emprego. Portanto, a penalização é indireta. Se as mães tendem a ser menos promovidas é porque são as que mais optam pela flexibilidade dos horários e das condições de trabalho.
Pontos-chave
  • 1
       Ao contrário do que se poderia pensar, as trabalhadoras com filhos têm pontuações mais elevadas para a promoção profissional do que os homens sem filhos, quando ambos têm as mesmas qualificações para serem promovidos no emprego. A explicação é que existe a perceção de que as mulheres são mais competentes no trabalho.
  • 2
       Os candidatos (masculinos ou femininos) que teletrabalham dois dias por semana têm uma classificação inferior para a promoção no emprego do que aqueles que trabalham de forma presencial no escritório todos os dias da semana.
  • 3
       Os trabalhadores que têm a sua jornada de trabalho reduzida em uma hora por dia estão numa posição pior para serem promovidos do que aqueles que trabalham uma jornada de trabalho semanal de 40 horas ou trabalham uma hora extra por dia (45 horas semanais).
  • 4
       A presente investigação pretende analisar as promoções para cargos intermediários com responsabilidades de supervisão, e não para cargos de gestão, em médias e grandes empresas espanholas.
  • 5
       Foi aplicada uma metodologia experimental que evita os enviesamentos da desejabilidade social.
A flexibilidade de trabalho afeta as promoções no emprego
A flexibilidade de trabalho afeta as promoções no emprego

Estando os candidatos em pé de igualdade de condições, nas avaliações para uma promoção no emprego é mais penalizado ter uma redução da jornada de trabalho do que ser mulher ou ter filhos. Por outras palavras, o facto de ser mulher ou ter filhos não penaliza ou reduz as probabilidades de promoção no emprego por si mesmo. Contudo, existe uma penalização indireta: uma das razões pelas quais as mães são menos promovidas é porque optam mais pela flexibilidade nos horários e condições de trabalho.

Classificação

Autores

Irina Fernandez-Lozano, Juan-Ignacio Martínez-Pastor e Teresa Jurado-Guerrero , UNED
M. José González , UPF

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Infodata

Índice de Economia e Sociedade Digital

Espanha lidera os países da UE-27 no cálculo global dos indicadores da sociedade digital (conectividade, utilização da Internet, etc.). Portugal, no entanto, está no fundo.

Infodata

Doutorados segundo diferentes ramos do conhecimento e sexo

Enquanto a participação de mulheres doutoradas em Portugal está acima da média da UE-27 em todos os ramos do conhecimento considerados, em Espanha, a participação de mulheres doutoradas está abaixo da média europeia nos ramos das artes, humanidades e ciências sociais.

Artigo

Portugal, Balanço Social 2021 - Um retrato do país e da pandemia

“Portugal, Balanço Social” é um relatório anual que analisa a pobreza e exclusão social em Portugal.

Também pode ser do seu interesse

Artigo

Portugal, Balanço Social 2021 - Um retrato do país e da pandemia

Portugal, Balanço Social 2021 - Um retrato do país e da pandemia

Inclusão Social

“Portugal, Balanço Social” é um relatório anual que analisa a pobreza e exclusão social em Portugal.

Artigo

Como é que as medidas de prevenção de covid-19 afetaram os profissionais das estruturas residenciais para pessoas idosas?

Como é que as medidas de prevenção de covid-19 afetaram os profissionais das estruturas residenciais para pessoas idosas?

Inclusão Social

O impacto da pandemia de covid-19 nas estruturas residenciais para pessoas idosas (ERPI) foi investigado, mas sabe-se menos acerca do seu impacto nos profissionais de saúde.

Artigo

A pandemia e o mercado de trabalho: o que sabemos um ano depois

A pandemia e o mercado de trabalho: o que sabemos um ano depois

Inclusão Social

Após mais de um ano de pandemia, o emprego e o número de horas trabalhadas continuam abaixo dos níveis pré-pandemia. O presente estudo utiliza dados secundários do Inquérito às Forças de Trabalho, conduzido pelo INE, e dados de registos nos serviços públicos de emprego (Instituto do Emprego e Formação Profissional).