Boas Práticas

Alterações nos sistemas de avaliação científica

São cada vez mais as vozes que defendem alterações que melhorem os sistemas de avaliação da atividade científica. Reivindicam o desenvolvimento e a aplicação de critérios que valorizem diferentes qualidades e contributos em investigação, e não apenas a visibilidade dos estudos ou os indicadores bibliométricos das publicações científicas.

 

Dados básicos
 

  • Âmbito geográfico: internacional.
     
  • Fontes: 

CURRY, S., et al. (2020): The changing role of funders in responsible research assessment: progress, obstacles and the way ahead, Research on Research Institute. 

DELGADO-LÓPEZ-CÓZAR, E. et al. (2021): «Letter: A call for a radical change in research evaluation in Spain», Profesional de la Información, 30(3). 

1. Contexto

Na última década, intensificaram-se os debates na comunidade científica internacional sobre a forma como a Ciência é financiada e praticada. Nestas discussões, equaciona-se a forma como a atividade científica pode conseguir uma maior abertura e inclusão e alcançar um maior impacto. Estes debates são acompanhados de reflexões críticas acerca dos processos e dos critérios de avaliação da investigação.

2. Debate

O uso de indicadores bibliométricos baseados nos índices de impacto das revistas alargou-se a todos os ramos do conhecimento e a praticamente todos os domínios da atividade científica. Os sistemas de avaliação passaram de basear-se em avaliações de peritos para dependerem quase exclusivamente destas métricas.

Esta utilização abusiva de indicadores bibliométricos está a gerar consequências perniciosas à escala individual e coletiva. A atividade científica transforma-se numa espiral dedicada a acumular mais e mais publicações e a aumentar o número de citações. Os investigadores concentram-se na publicação como a meta principal e ignoram outras atividades que não beneficiam as suas carreiras. A pressão para publicar aumenta o número de trabalhos irrelevantes e incentiva a proliferação de más práticas e de comportamentos pouco éticos. A governança e as linhas estratégicas das universidades e dos centros de investigação são alteradas. Ocorre uma redução na diversidade das agendas de investigação, e as linhas lentas na produção de resultados (incertas, complexas ou custosas) são abandonadas a favor de temas em voga, com rendimentos seguros e imediatos. 

Perante esta situação, surgiram diversas iniciativas e declarações à escala mundial (como a Declaração de São Francisco sobre a Avaliação da Investigação [DORA], de 2013, ou o Manifesto de Leiden, de 2015) que defendem mudanças nos sistemas de avaliação e a que aderiram numerosas instituições de todo o mundo. Nos últimos anos, diversas organizações de diferentes áreas académicas e regiões do mundo iniciaram um processo de reforma dos seus processos de avaliação e estão a ensaiar novas práticas, como o uso de formatos narrativos de currículos, a valorização de ações vinculadas ao avanço da Ciência aberta, as referências à multidisciplinaridade, a avaliação por pares e a atenção à relevância e ao impacto local e social dos contributos.

3. Conclusões

O grande número de iniciativas que se estão a desenvolver nos últimos anos sugere que a avaliação da investigação entrou numa nova era. As práticas exclusivamente baseadas em avaliações quantitativas e no uso exclusivo do fator de impacto das revistas estão a ser abandonadas, e caminha-se para novos modelos de avaliação que procuram ser mais plurais e considerar também outros fatores, como o valor, a qualidade e o impacto (científico, mas também social e local) dos contributos e da acessibilidade dos resultados.

Classificação

Etiquetas

Temáticas

Conteúdos relacionados

Artigo

Conhecimento para uma saúde em segurança em Portugal e Espanha

Este artigo analisa a forma como estar motivado pela prevenção de doenças (“segurança”) ou pela promoção do prazer (“prazer”) molda a forma como as pessoas compreendem a saúde sexual e procuram alcançar os seus objetivos sexuais.

Apresentação pública do Dossier “Investigação e inovação em Portugal e Espanha"

Quais são os fatores decisivos nos sistemas de investigação e inovação de um país? E as ligações entre a ciência e as empresas? Apresentamos o novo Dossier do Observatório Social da Fundação "la Caixa".

Entrevista

«Não se pode ligar e desligar a investigação como se não fosse nada; é necessário um investimento a longo prazo»

Andrew W. Wyckoff, atual Diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação na OCDE, analisa os principais desafios colocados pela transformação digital no âmbito económico, social e educativo.

Artigo

Recursos humanos para investigação em Portugal e Espanha

Os investigadores são um pilar do sistema. As condições de trabalho neste sector em Portugal e Espanha são propícias ou forçam uma fuga de talento?

Boas Práticas

Ferramentas e recursos para salvaguardar a ética e melhorar a integridade na investigação científica

Um dos grandes desafios atuais da investigação é a integridade do processo e a fiabilidade dos resultados. Que reformas estão a ser realizadas nesta área?

Também pode ser do seu interesse

Evolução da Ciência e Tecnologia em Portugal e Espanha

Artigo

Evolução da Ciência e Tecnologia em Portugal e Espanha


Ciência

A investigação e a inovação em Portugal e Espanha desenvolveram-se em percursos paralelos, embora com algumas características que os diferenciam.

Ligações Ciência-empresas em Portugal e Espanha: um potencial de inovação inexplorado?

Artigo

Ligações Ciência-empresas em Portugal e Espanha: um potencial de inovação inexplorado?


Ciência

Em Portugal e Espanha, apenas 6% dos doutorados trabalham no sector empresarial. Há muito espaço para melhorar a relação entre a ciência e os negócios.

Desigualdades na investigação sobre as desigualdades da Covid-19: quem tinha capacidade de resposta?

Artigo

Desigualdades na investigação sobre as desigualdades da Covid-19: quem tinha capacidade de resposta?


Ciência

No projeto em que este artigo se baseia, foram analisados os artigos científicos publicados entre janeiro de 2020 e abril de 2021 sobre as desigualdades associadas à Covid-19.